Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Seguindo os dias



Antes mesmo do sol nascer - eram precisamente 5 horas da madrugada... - tocou hoje meu telefone. Nunca é coisa boa quando o telefone toca numa hora dessas. Eu atendi depois da minha Lolinha - que tem uma extensão no criado-mudo ao lado de sua caminha, minha preocupada princesa... - e a voz, do outro lado da linha (reconhecendo a minha voz) foi logo dizendo:

-"Oi, Rosa... Aqui é a Isabel. Desculpa eu ligar neste horário, mas eu vi que você já tá acordada... Olha, o meu Guilherme faleceu esta madrugada, eram 3 horas..."

Eu não sei o que dizer quando isso acontece, vocês sabem? Dona Isabel é minha vizinha de frente, cujo marido vinha lutando contra um câncer de vesícula desde o começo de 2015. Desta vez, internado prá retirar mais metástases que se enroscavam em sua coluna, impedindo-o de andar, sucumbiu a uma bactéria feroz adquirida no hospital...

Não sei o que dizer e nem me lembro o que disse, na verdade... Sorte minha que meu marido quis pegar o telefone - ainda estava dormindo e acordou todo assustado - e ele sim sabe o que dizer. 

Eu nem no velório posso ir - não sirvo prá consolar ninguém. Sou totalmente imprestável. Olho prás pessoas chorando, sofrendo e acabo chorando e sofrendo mais do que elas... No velório de uma das queridas tias do meu marido eu chorava tanto, quietinha no meu cantinho, que o irmão mais velho dele até zombou de mim, dizendo que eu nem era da família, que meu choro devia ser fingimento, necessidade de atenção... Todo mundo conversando normal uns com os outros, falando do carro novo, do emprego, da vida - e a pobre da velhinha deitada gelada com seu rostinho curtido pelo tempo parecendo falar comigo sobre a inevitabilidade da morte, a brevidade da vida...

Por sorte meu marido me entende, sabe que meu coração é um mosaico de caquinhos quebrados, que por vezes derrete como manteiga no sol - e aí tem que me deixar chorar até secar o que me molha a alma.

Bom, o certo é que finalmente "seu" Guilherme voltou prá casa. Parou de sofrer - e estava sofrendo muito o pobrezinho. Homem forte: participava todo ano da Corrida de São Silvestre (e sua esposa conta, orgulhosa, que mesmo com aquela idade chegou no lugar 68 da última vez que participou). Aqui na vizinhança ele era muito querido: trocava telhas, vidraças quebradas, remendava calçadas, levava gente no médico, quando a pessoa não tinha quem ajudasse. Prá meu marido chegou a alugar um dos carros, uma vez anos atrás quando nosso poizé tava no conserto...

Mas não retornei ao blog prá falar de coisas tristes - pelo menos não apenas delas.

Minha enteada está bem melhor, graças a Deus. O hematoma gigante que ela tinha no útero já está diminuindo de tamanho, parte foi embora em um dos sangramentos, parte foi absorvido pelo corpo dela  - e a gravidez segue seu curso, bem monitorada. Graças a Deus e à toda família ajudando.

Fiz um rosário prá dar de presente prá minha irmã Fátima. Sonhei que fazia um rosário prá ela - no sonho ela ficava tão feliz! Acordei animada, peguei um colar de cristais que eu tinha - cristais brancos -, peguei um crucifixo de madrepérola que comprei nas férias passadas, numa feira de artesanato em Aracaju (que eu planejava usar numa corrente ao redor do pescoço, mas sempre adiava comprar a tal corrente... )- procurei uma sobra de fio Susy branca (de uma blusa linda que fiz prá Naninha) e enfiando as contas no fio duplo eu crochetei o tal rosário (ou terço, como queiram chamar). Olhem como ficou lindo:








Acondicionei numa caixa bonita que eu tinha - acho que era de relógio, nem me lembro... Ela adorou, como no meu sonho. Às vezes os sonhos viram realidade, não é bom?

Estes meses passados foram tão corridos! Apesar de muitas coisas passarem batidas, algumas delas a gente percebe de um jeito ou de outro, por imposição da vida - parece até que a vida faz questão que a gente preste atenção nelas e então as esfrega bem na nossa cara, já perceberam?

Alguma borboleta colocou ovos nas folhas das palmeiras do meu jardim - e volta e meia caiam no chão as horríveis e enormes taturanas... Uma delas - não sei como! - passou por debaixo do vão da porta, escalou a cortina da copa e foi ali adormecer:




À noite, com as asas totalmente secas, a danadinha me assustou voando prá dentro da sala, enquanto eu assistia um pouco de TV com o "Marildo". Ele a pegou com muito jeito e soltou fora de casa. 

Hoje pela manhã nasceu mais uma outra - e outras virão, dos casulos escondidos pelo meu quintal. Cada uma a seu tempo, depois de acordarem do seu sono de beleza... Não é mágico? A casquinha do casulo é aquela mesma pele horrível da lagarta...

Talvez a morte seja como o sono da lagarta - e do outro lado a gente acorde com asas (eu gostaria disso...).

Pode ser que minha vizinha Dona Isabel fique ressentida por eu não ir no velório hoje à noite - mas meu marido sempre pode dar a desculpa de eu não estar boa de saúde (desculpa que é a mais pura verdade, aliás... Há duas noites que não consigo dormir por causa das dores no quadril, resultado do frio que anda fazendo. Onze graus não é temperatura prá mim, não mais...).

Bom, mas Deus sabe o que se passa em meu coração. Sempre que posso ajudar, ajudo - e Dona Isabel, quando o inverno começou, veio aqui em casa se socorrer de mim. O marido estava internado, ela havia começado um colete pro neto e mediante tanta preocupação, fazia e desmanchava, fazia e desmanchava o tal colete...

-"Rosa, você faz tricô tão bem, me dá uma luz aqui? Onde é que eu tô errando?... Parece que esse colete não sai!"

Tão magrinha e abatida, pesando uns 36 ou 37 quilos! Eu falei prá ela deixar o tricô comigo, que ela tinha que se cuidar, descansar prá aguentar o tranco das visitas ao marido no hospital... Num instantinho, mesmo com a artrose nos polegares, desmanchei o colete e fiz do zero, no tamanho do neto dela - e com a lã que sobrou fiz um gorro pro menino...


Pelo menos prá isso eu sirvo.

E ando fazendo bolsas e mochilas. Bolsas térmicas. Prá namorada do meu filho, prá irmã dela (que veio de visita à família, mas mora no Chipre!)... Prá Fernanda, outra prá Tia Joanita, uma prá minha enteada.

Preciso trabalhar sempre, me ocupar, nunca jamais posso deixar preocupações e dores me deixarem prostrada, pensando desesperanças e medos. Trabalho é remédio. Trabalho e oração, sempre. Porque o coração, acima de qualquer parte do corpo, precisa permanecer sadio - até porque parece que somente sobre ele eu consigo ter algum controle.

Esta mochila linda eu fiz prá Naninha, depois de assistir um vídeo no Youtube:





O vídeo é este aqui:


A moça que faz a mochila é uma portuguesa com um sotaque lindo demais, adorei assistir várias vezes. Pena que não consegui entrar no blog dela, é só prá pessoas convidadas - e eu não sei como ser convidada, peninha, né?

Mas acho que no blog dela não tem os moldes, pois ela os vende no Face - então eu criei meu próprio molde prá fazer essa mochila - se depois alguém quiser as medidas eu faço uma postagem passando. Foi uma mochila muito fácil de fazer e ficou uma graça, vocês não acham? Só que eu fechei por dentro de um jeito diferente do dela, usando viés interno prá unir as partes - acho que fica mais seguro, do jeito dela pode ficar mais bonito, mas o forro fica solto, meio esfrangalhado, não gosto muito.

Estou pensando em fazer bolsas prá vender - uma amiga minha diz que a irmã dela vende no trabalho por mim, se eu quiser... Torçam por mim prá eu conseguir fazer algumas bolsas prá vender, quero comprar uma máquina de costura nova prá dar de presente prá alguém muito amado que vai fazer muito bom uso dela - e quero ser eu a comprar, nada de pedir pro Marildo ou pro filhinho, a ideia é minha, o trabalho deve ser meu. 

Se esse empreendimento der certo eu ainda mostro prá vocês...

Agora vou lá fora, por roupas no varal. 

E espiar se tem mais borboletas nascendo...

16 comentários:

  1. Força e fé Rosa, sempre!!! Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza Dona Rosa, sua empreitada vai dar certo, com essas mãos de fada quem não vai querer uma mochila feita por você!!

    ResponderExcluir
  3. Pela segunda vez entrei aqui hoje, e acertei: postagem nova!
    Fico feliz em ter notícias suas, pois mesmo quando fala de assuntos difíceis como um velório, suas palavras vêm carregadas de sabedoria....te admiro muito!
    Tenho saudades de quando as postagens eram diárias, mas entendo que a saúde não permite....
    Que Deus a abençoe, Rosa!

    ResponderExcluir
  4. Continuo aprendendo com você, e torcendo pelo seu sucesso, pela saúde da sua enteada e pelo bom termo à gravidez dela.
    Meus parabéns e obrigada pela energia que você nos transmite!
    Grande abraço.
    Josete

    ResponderExcluir
  5. Olá Dona Rosa!
    Sempre que leio seus posts, me emociono e também sorrio.
    A senhora "escrevive" escreve e vive com muito amor
    São tão encantadores e transmitem tanta generosidade e carinho que escrevo esse comentário para agradecer por compartilhar!
    Tenho certeza de que vai conseguir realizar seu projeto e as mochilas vão ser um sucesso, muito lindas elas são e feitas com muito amor por suas mãos de fada.
    Que a primavera traga flores, colorido e muitas borboletas.
    Que Deus a abençoe muito e sempre!
    Bjs Luli


    ResponderExcluir
  6. Olá Rosa, cada peça que você fez está linda e cheia de amor com certeza. Boa sorte com o empreendimento, nessa sua determinação e força de vontade vai conseguir comprar a máquina. Eu acho as borboletas incríveis e lindas, apesar de inicialmente ser lagarta. bjsssss

    ResponderExcluir
  7. Compartilho contigo essa coisa de não saber como agir na morte e na doença. Nunca sei o que dizer. Coragem Rosa, também acho que suas mochilas podem dar muito certo. Você é muito caprichosa. Só não vai exagerar. Lembre-se de colocar seu bem estar em primeiro lugar. Ainda espero acompanhar suas histórias por muito e muito tempo.
    Fica nas bençãos de Deus.
    Bjks

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Peças lindas principalmente a mochila.
    Investe nesse empreendimento das bolsas, Rosa.
    Você as faz muito bem feitas. Parabéns.

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Rosa, assim como você não consigo ir à velórios e nunca sei o que dizer nessa hora. Acho que você vai vender muitas bolsas, seus trabalhos são muito caprichados.

    ResponderExcluir
  11. Oi Rosa! Cada um tem uma reação à morte e velórios, né. Eu fico muito tensa, não gosto!
    Ficou muito linda a mochila! Olha vai em frente vc tem um dom maravilhoso pra costura! Faça sim, suas bolsas, pra vender. Você se distrai e ganha um dinheirinho extra né?!
    bjs e Bom fim de semana!
    Nina

    ResponderExcluir
  12. Torço por vc sempre minha querida amiga.
    Sabe Rosa, minha mãe tinha tanta dor no quadril e o médico dela passou para ela tomar aquele Colágeno UC II. Foi tão bom... Vc sabe né de médico e louco todo mundo tem um pouco...
    Assim como vc não me dobro a dor nenhuma, sigo aqui com meus deveres domésticos, com meu crochê... Estou com aquela Síndrome do Túnel de Carpo nos dois pulsos. O da mão esquerda está mais comprometido e por isso estou fazendo todos os exames para passar pela cirurgia. E assim vou tocando minha vida com muita fé em DEUS sempre.
    Um ótimo domingo para todos aí.
    Fiquem com DEUS.
    Saudades de ti.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Rosa, você sempre passando mensagens de força e esperança! Fazer esse pulover mais a touca, o lindo terço e mais ainda essa maravilhosa mochila, mesmo com o problema que você tem nas mãos. ...dizer o quê? ?? Parabéns
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Rosinha querida, há muito não passava aqui. Ainda bem que hoje entrei.

    Sabe, a reacção das pessoas face à morte é tão divergente! Eu não sei como agir, mesmo quando quem parte me é querido. É uma incapacidade minha que assumo e se possível não compareço em velórios.

    Falando de vida - a mochila é um encanto e vai ser o maior sucesso. Força! Em breve comprará a "tal" máquina que tanto deseja.
    Beijinhos da Nina

    ResponderExcluir
  15. Rosa...que bom encontrá_la!
    A morte sempre nos deixa algum desconforto!!!
    A mochila ficou linda e seus projetos sempre interessantes!
    Bom fim de semana e bj

    ResponderExcluir
  16. Olá rosinha. boa noite!
    Hoje em dia, o telefone quase não toca mais, creio que os fones fixos logo serão coisa do passado. Mas as mensagens chegam sempre, ninguém mais fala com ninguém, só escrevem. Que coisa, não? Mas, em outros tempinhos, quando o telefone tocava em horários estranhos, a gente sempre atendia esperando uma notícia.
    A minha mãe, Rosinha, quase nunca comparecia aos enterros de família, de amigos. Não gostava e a família já sabia. E temos que respeitar essas questões pessoais, cada um é de um jeito, é assim mesmo.
    O colete e a mochila, ficaram uma graça e muito bem feitos. Claro que sim, vá em frente e que venda muitas mochilas. Tem, desde já, a minha torcida.
    Beijocas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...