Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

quarta-feira, 4 de março de 2015

Dulce



Quer nome mais meigo, que mais que todos evoca doçura? 

Pois é: assim mesmo ela era. 

Evangélica, sempre a vestir saias bem abaixo dos joelhos, lenço amarrado na cabeça - não importando a ocasião - um jeitinho tímido de falar, sorriso discreto...

Mas não se diz por aí que não se pode julgar o livro pela capa? Que as aparências enganam? Pois eu já devia estar escolada - afinal já havia trabalhado com uma moça de mesmo nome, que de doce não tinha nada...

Dulce começou a trabalhar na minha casa no estilo "prá ontem", pois uma outra empregada havia sido mandada embora (depois de me afanar uma porção de coisas...) e lá estava eu toda atrapalhada, filhos pequenos que ainda não frequentavam a escola, afazeres de casa se amontoando uns por cima dos outros, trabalhando fora... 

O Marildo a trouxe encomendada por um amigo dele, "Joe" - apelido americano prá um jardineiro demais de brasileiro, boa pessoa - mas sossegado demais prá se dar bem na vida no que quer que fosse. Mas, como eu disse, boa pessoa - isso é que importava. 

Dulce se provou ser uma excelente doméstica, extremamente eficiente: ao chegar em casa por volta das treze horas tudo estava brilhando, cheirando limpeza, agradável demais da conta. Daí ela ia pro tanque ou pro ferro de passar roupas - que nunca mais se acumularam...

Umas duas semanas depois que começou ela me veio com um pedido: sua filha (sua única...), que tinha a idade regulada com as minhas, estava de favor na casa de uma vizinha - que agora não podia mais tomar conta dela, pois arranjara emprego...

Me pediu - com a cara mais humilde do mundo - se podia trazer a menina junto pro trabalho, até arrumar quem ficasse com ela...

Eu - inocente que eu era naquele tempo, só não amarrava cachorro com linguiça, mas de resto... - deixei, falei que podia! Pensei que seria bom meus filhinhos terem uma companhia prás brincadeiras - na nossa vizinhança tinham sido frustradas as tentativas de fazer amizade, uma criança até me disse na cara que sua mãe não queria que ela brincasse na minha casa porque eu era "nojenta"...

E assim foi: quando a Dulce chegava, por volta das oito da manhã, eu já estava no trabalho desde as sete horas. Ela era recebida pelo Marildo, preparava café da manhã prá ela e prá filha (os meus eu mesma alimentava antes de sair de casa, como sempre foi e será, se Deus quiser...) e fazia o serviço pelo qual a pagávamos.

Pouco mais de um mês depois que ela começou cheguei mais cedo em casa, pois havia passado mal no trabalho, com febre. Ao girar a chave na fechadura do portão me aparecem dois dos mais lindos rostinhos na janela - a Nana e a Lola - agoniadas, desesperadas, falando: "Mamãe, mamãe! Solta a gente! A Nana quer fazer xixi!!!"

Quando entrei na casa - apressada - já a encontrei brilhando, o chão encerado e lustrado, o cheirinho de pinho sol a vir do banheiro e, sentadinha no sofá comendo biscoitos estava a filha da Dulce, assistindo desenhos. Do lado de fora do meu quarto a chave enfiada na fechadura, deixando lá dentro trancados meus filhos...

Quando abri a porta a Lola me abraçou, feliz - a Nana correu pro banheiro. O Ike, ainda tão pequeno, com apenas três aninhos, estava triste, a carinha lavada de choro.

-"Cadê tua mãe?" - perguntei prá menina, que, com cara azeda, não me respondeu nada, continuando a lamber o recheio da bolacha...

-"Oi, Dona Rosa! chegou cedo...".

-"Dulce, porque meus filhos estavam trancados no quarto?"

-"Ah, foi só enquanto eu encerava a sala, não queria eles escorregando na cera...".

Minha Lola, firme como uma mocinha, sempre muito bem articulada desde que aprendeu a falar, me disse assim:

-"É mentira, mamãe. Todo dia ela tranca a gente, mesmo quando não encera. Só quem pode ver desenho é a filha dela. Nem biscoito ela dá prá gente...".

-"Mentira, Dona Rosa! A menina tá inventando! Imagina se eu ia fazer isso com as crianças, é que elas não sabem se comportar, ficam andando em cima da cera molhada, iam acabar manchando o sofá!".

Mas eu bem sabia os filhos que havia criado... 

Perguntei prás minhas filhas - pois agora a Naninha já tinha voltado:

-"Todo dia ela tranca vocês no quarto?"

-"Todo dia, mamãe, desde antes de trazer a filha dela. Ela até disse uma vez que odeia criança, que só gosta de trabalhar em casa vazia!"

-"Vocês nunca brincaram com a filha dela?"

-"Ela até empurrou o Ike, chamou ele de branquelo azedo, mamãe!"

-"E por que vocês não me contaram nada?!"

Os pobrezinhos olharam uns pros outros e daí a Lola falou assim:

-"É que ela disse que, se a gente contasse, ela ia acabar com a nossa raça..."

O rosto que antes me parecia tão doce da Dulce se transmutou numa caratonha de raiva! Foi como se tirasse uma máscara, parecia até outra pessoa, saída de um filme de terror!

-"Menina mentirosa! Eu não falei nada disso! Essa menina tá merecendo umas palmadas, Dona Rosa, prá deixar de inventar esses absurdos!".

O sangue me subiu na cabeça, o coração me batia nos ouvidos. Me lembro de duas vezes na vida nos quais perdi totalmente a compostura, a noção de ser filha de Deus e de ter que me comportar de modo condizente com isso - essa foi uma delas. Virei um bicho, uma leoa: se eu tivesse dentes pontudos, teria pulado na jugular daquela mulher!

-"Pega tuas coisas e some da minha casa, sua *&¨%$$#@! Nunca mais me apareça pela frente, senão eu é que vou acabar com a tua raça!"

Falei todos os palavrões que eu sabia, apanhei a vassoura prá ameaçá-la e fui - com a vassoura - enxotando ela e a menina até o portão da rua. Deu prá ver medo nos olhos delas, eu devia estar assustadora!

Ao abrir o portão eu ainda disse: "Nem se atreva a aparecer aqui prá receber o que eu te devo: meu marido vai te levar lá onde você mora. Nunca mais quero ver a tua cara na minha vida!"

E assim foi feito. Quando o Marildo chegou contamos prá ele o ocorrido e ele, chamando o Joe, mandou por ele o dinheiro que devíamos prá moça. 

Meus filhinhos, como era de se esperar, ficaram muito orgulhosos de mim pelo modo violento como me comportei - de vez em quando, ter calma e ter classe é um comportamento totalmente descabido. Às vezes, na vida, a gente tem que reagir à altura - até Jesus, que era Jesus, derrubou mesas e expulsou os vendilhões do Templo...

Dulce foi a última empregada que tive, a última das minhas decepções. Antes dela houve um desfile de outras, preguiçosas, desmazeladas, mal intencionadas criaturas que se infiltraram na minha vida me trazendo mais dores de cabeça do que sossego nas tarefas do lar.

E agora, aqui dentro de casa (até mesmo Tia Joanita, com seus telefonemas...), essa campanha prá me fazer voltar a viver situações que rejeito com todas as minhas forças: não me importa o cansaço, as dores no corpo. 

Sei que todos se preocupam comigo, querem o meu bem, querem me poupar... 

Mas não me interessa ter mais tempo prá mim mesma, pros meus artesanatos, se eu corro o risco de trazer prá dentro da minha casa uma pessoa e seus problemas.

Em primeiro lugar está minha paz de espírito. 

Que Deus me dê forças prá não passar por situações assim nunca mais...

12 comentários:

  1. Rosa...realmente nem sempre se tem sorte com as empregadas!
    Eu só tive uma...durante 9 anos...quando meus herdeiros precisavam de vir almoçar a casa...mas nunca mais tive ninguém!
    Bj amigo

    ResponderExcluir
  2. Também concordo com você Rosa. Na verdade, acho até que se tivesse uma emprega em casa as filhas não me ajudariam e não aprenderiam a se virar. E, na vida, acho que todos devem aprender, pois não sabemos o amanhã.
    Sua atitude foi muito digna e certa.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Rosa, que história assustadora, uma história de terror. Com essa experiência é realmente complicado admitir uma empregada.A minha é tão boazinha que se a perder não vou querer outra.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Como dizia o Mussum...Cacildis! Cada pedregulho na sua estrada Rosa! Ainda bem que chutou e fez gol, também mandaria pra cucuia uma pessoa assim! Eu nunca tive empregada, só diaristas e nunca deram problemas, graças a Deus!
    bj Nina

    ResponderExcluir
  5. Rosinha, imagino o sufoco que você passou, eu acho que daria umas vassoradas nela antes dela sair! E não deixaria meu marido levá-la em casa de jeito nenhum! Que fosse a pé. E ainda daria queixa na polícia.

    Mas não fique assim traumatizada, seus filhos são adultos agora, você pode contratar uma faxineira para vir uma vez por semana fazer o pesado, e assim não tem muito convívio, a relação fica mais distante e profissional.

    Eu também tive experiências ruins com empregadas, hoje tenho só uma faxineira que vem a cada 15 dias e o resto eu mesma faço. Lavo, passo cozinho, arrumo a bagunça, cuido da cachorrinha e da gatinha e o que mais pintar. Mas o marido e o filho ajudam sempre que estão por perto.
    Às vezes meu marido cozinha e também lava a louça. Meu filho leva o lixo para fora e tem o compromisso de manter seu quarto em ordem.

    Agora estou com problemas nos ombros então comecei a mandar a roupa do marido para uma passanderia, porque passar um monte de camisas sociais não dá mais.

    A gente vai se adaptando e fazendo o que pode, mas sem exagero, porque a saúde está em primeiro lugar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Passando
    para deixar um abraço elogiar mais uma vez
    seu post e agradecer seu carinho
    Uma linda noite com bons sonhos

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  7. Que azar, Rosa!! nenhuma empregada deu certo!!

    Sei que é complicado quando se tem os filhos pequenos e precisa deixá-los com a empregada mas no seu caso, os filhos já cresceram, trabalham fora e é você que fica em casa. A história é completamente outra pois as situações são muito diferentes. A empregada junto com outra pessoa adulta não irá folgar ainda mais contigo.

    Minha mãe tinha a mesma resistência que você até que..um dia...não teve mais jeito, após fazer cirurgia de marca passo aos 85 anos ela teve que aceitar ajuda mesmo reclamando. Hoje, a empregada é indispensável para ela e a saúde de minha mãe, assim como o humor melhoraram muito.

    Mas a decisão final é só sua. Boa sorte, Rosa.

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Nossa Rosa!!!
    Realmente um conto de terror, parecido com o meu!!!
    Qdo meus filhos eram pq,resolvemos montar uma loja! Deixava as crianças o dia todo com uma moça,que minha vizinha me apresentou!! Parecia boazinha mas toda noite qdo chegávamos, as crianças gritavam na janela como se fossemos a sua tábua de salvação!!! Mamãe chegoooooooooooooou!!! Até aí tudo bem, mas a empregada da minha vizinha me disse que achava estranho, pois toda vez que ela batia na nossa porta, as crianças estavam dormindo!! Nem quis saber o que ela fazia!!! Mandamos ela embora na hora!!! Depois soubemos que ela pegava santo e bebia cachaça!!! Nem quero pensar no que poderia ter acontecido aos meus pimpolhos!!!
    Resumindo; parei de trabalhar e comecei eu mesma,a cuidar das crianças!!! Depois disso tive várias diaristas, mas hoje estou só!!! Trabalho feito louca, pois moro em uma casa de dois andares com jardim, orquidário e ainda invento moda!!! Estou acabada, mas sou muito feliz!!! Rsrsrs!!!
    Me desculpe por desabafar a minha história, mas foi só solidariedade!!!
    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  9. Cruzes, me vi retornando no tempo... Com a graça de Deus, marido e eu resolvemos abolir qualquer tipo de secretária doméstica desde 1994, quando nossa filhota mais nova ainda tinha 3 anos. Foi dureza morar longe de toda a família e tomar uma atitude assim... Fizemos malabarismo, pois nós dois saíamos para trabalhar... As crianças foram para creche, escolinha... Pulamos que nem pipoca, mas nos libertamos! Passamos por poucas e boas com nossas empregadas (Não vou nem contar, pra ninguém chorar,,,) e tenho trauma até hoje. Enquanto tiver forças vou viver essa minha liberdade. A casa virou uma cooperativa, todo mundo é responsável por tudo. Deu certo, família cresceu feliz! Bjks

    ResponderExcluir
  10. Rosa, aceite o palpite da família em por uma empregada. Dê-se a esse prazer. Há pessoas muito boas e honestas que precisam trabalhar numa casa assim como a sua, de gente boa e honesta. Pena que teve alguns exemplos ruins, mas não generalize. Eu tive 3 empregadas ótimas, que ficaram comigo por muitos anos. Hoje estou sem ninguém,mas porque está difícil encontrar uma que esteja disponível. Quando estamos em casa com elas, orientando o resultado é melhor. Vou torcer que encontre.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Rosa eu não tive esta experiência , mas vou fazer 30anos de casada e todas me deram tristezas e desilusões, a ultima não faz mais que um ano , no inicio toda humilde e depois queria tudo o que eu tinha , não entendo parece que quanto mais queremos alguém para receber o melhor e dar o melhor , parece que é pior. Olha que eu nem nunca quis saber de suas religiões apenas perguntava se fumavam, pois todos nós aqui em casa detestamos a inhaka do cigarro. Rosa ainda tenho vontade muitas vezes de colocar uma porque minha casa é grande e sou pra tudo , tenho mãe idosa , e quem dirige sou eu . Graças a Deus meu marido é meu amigo e meu ajudador . Mas apesar de termos tantas coisas pra fazer , não tenho problemas, parece que vivo num paraíso. E melhor ninguém assiste minha privacidade. Acredito que existem pessoas que merecem confiança e respeito neste trabalho. Mas só vou bater palmas se algum dia isso acontecer na minha casa , que meus olhinhos possam ver. Não estou te desanimando , mas eu não espero nada e vou fazendo tudo como posso e como gosto. Não tenho patrão mesmo e amo tudo o que tenho e que sou. Quero pra mim e desejo pra ti paz , muita paz e alegria. Ai minhas costas. ai que preguiça . hehehhe. Bjinhoss

    ResponderExcluir
  12. Nossa, Rosa, fui ficando lívida conforme ia lendo...
    Imaginei as crianças presas, fui me revoltando. Eu teria agido da mesma forma. Quantas mães passam por isso, por não terem alternativas.
    Eu parei de trabalhar de forma regular para me me dedicar aos filhos. Tenho uma boa emprega há 9 anos. Mas experimentei a angústia de ter dentro de casa uns tipos nas quais eu não tinha sossego, daí, tinha que mandar embora.
    Nossa, Rosa, teus filhos passaram por uma violência sem tamanho. Presos, acuados, que triste...

    bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...