Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Do fim pro começo

Hoje elas são assim:









Na medida certa prás minhas meninas usarem... Mas, um dia, foram diferentes...

Quando meu adorado filho (vulgo o "Homem Mais Lindo do Universo", que também calha de ser o mais inteligente e cheiroso e por que não dizer que deixa o ar em volta dele cheio de fogos de artifício quando está no recinto...) era adolescente usava essas duas:



Adorava Bob Esponja - só tinha tamanho o moleque, pois já era alto como um guarda-roupa, mas crianção de tudo... As outras camisetas que ele tinha (amarela, vermelha, branca com laranja...) já reformei tempos atrás - uma tá AQUI, outra AQUI e a outra AQUI. Tirando a de hoje ainda resta uma, mas tá faltando imaginação - mas um dia ela chega, tudo tem sua hora...

A vermelha já tinha sido branca, daí eu amarrei, tingi, depois imprimi um desenho da internet e pintei o ying/yang/dragão - ficou lindo, ele adorava.

Mas tudo passa, tudo muda... Agora ele só gosta de camiseta lisa - e não dá prá desperdiçar camisetas de tão boa qualidade... 

Reformei prás meninas e elas adoraram.

Na vermelha emendei um pedaço de malha preta, porque senão perdia o desenho na hora de cortar - afinal tudo foi como fazer do zero, desmanchei as costuras e cortei como se fossem novas... Na cinza eu usei um restinho de malha verde muito lindo, que eu achei que ia combinar - e tava certa. 

Adoro usar viés em roupa de malha,  sempre fica lindo, não concordam? Uma máquina de costura comum, costurar a tira cortada (em qualquer sentido, pois estica de qualquer jeito...) com zig-zag, virar prá dentro e fazer pontinhos delicados à mão - não tem erro!

Usei de molde esta aqui, da Lola:


E a listrada - espia só como era feia:


Manga morcego, detalhe na frente - o conjunto em si era um monumento ao mau gosto. Comprada no Bazar do Bezerra de Menezes - nova, na etiqueta, doação de alguma loja, a UM REAL! Não dava prá perder, mesmo a blusa sendo horrorosa... O tecido é uma malha boa, tem brilhinhos (lurex), o sonho de toda aprendiz de perua. Não deu prá eliminar o recorte, mas esse detalhe até ficou bonito, no final...

Reformadas, plenamente aproveitadas, o remédio exato que o médico me receitou prá aumentar minha auto-estima, provando prá mim mesma, mais uma vez, que sou mesmo filha de Deus - também consigo fazer pequenos milagres com pouco...

Melhor: todo mundo ficou feliz, especialmente por não perder o dragão pintado pela mãezinha...

6 comentários:

  1. Oi Rosa! Como sempre, tudo lindo! Queria ser mais criativa, assim como você. Eu olho, olho para um tecido ou roupa para reforma, e custa muito a aparecer uma ideia legal. Na maioria das vezes, recorro ás imagens do santo Google!
    As meninas devem estar bem contentes com as blusinhas novas.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Ficaram lindas! Tenho muita vontade de tingir! Nunca o fiz e quando começar, ninguém me segura.
    Beijos, Rosinha!

    ResponderExcluir
  3. Rosinha, isso é que é reciclar, do velho fazer novo e ficaram lindas,
    as meninas ficam feliz de ter uma mãe tão prendada, beijo amiga

    ResponderExcluir
  4. Que capricho hein…Adorei a dica do viés!
    Rosa, já vi mãe coruja, mas como você….rsrsrs.
    Bjs querida e ótima semana

    ResponderExcluir
  5. Rosa...renovar desse jeito...só tem mérito...agora junta beleza e estão espetaculares!
    Parabéns pela habilidade!
    Bj amigo

    ResponderExcluir
  6. Olá amiga, passando para lhe deixar um poeminha de Quintana, espero que gostes, e estou te seguindo, beijokas.
    Os poemas são pássaros que chegam
    não se sabe de onde e pousam
    no livro que lês.
    Quando fechas o livro, eles alçam vôo
    como de um alçapão.
    Eles não têm pouso
    nem porto;
    alimentam-se um instante em cada
    par de mãos e partem.
    E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
    no maravilhado espanto de saberes
    que o alimento deles já estava em ti..

    Não esqueça de visitar meu blog - Tita Carré - crochet

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...