Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Crescendo entre animais


Quando tinha apenas um ano e meio de idade Sujit Kumar foi colocado, por sua própria família, prá viver embaixo da casa em que viviam - junto com as galinhas, num cercado de tela. Seu vizinho, quando entrevistado, disse que dava muita pena ver o menino ali dentro, sozinho, sujo - mas não se arriscava a fazer nada, pois a mãe do menino era muito brava...


Enquanto na parte de cima da residência de palafitas  (como a da foto) a mãe, o pai e seus quatro irmãos tinham cama, comiam em pratos, conversavam, riam - embaixo da casa ele ciscava no chão os restos atirados às aves e aprendia a emitir os mesmos ruídos que elas...

Ninguém sabe, na verdade, qual o motivo que levou sua família a segregá-lo dessa maneira... Especula-se que talvez seja pelo fato dele ser epiléptico - o que pode ser considerado como algo demoníaco nas ilhas Fiji, onde essa história aconteceu...

A família era muito disfuncional - o pai cometia delitos, volta e meia era preso e acabou assassinado. A mãe cometeu suicídio. 

Quando Sujit estava com sete anos de idade seus avós, que ficaram encarregados de cuidar dos netos, o abandonaram na beira de uma estrada, onde ele foi encontrado por um policial e levado para um asilo de idosos. 

Ali ele foi amarrado numa cama por vinte e dois anos e tratado como um animal... Até hoje ele tem cicatrizes horríveis no pescoço e na cintura, nos locais onde era amarrado com tiras apertadas de lençol... Fazia xixi e cocô no mesmo lugar por todo esse tempo... Davam-lhe banho com um jato forte de mangueira. 

Alimentavam-no de qualquer jeito e ninguém nunca perdeu tempo de ensiná-lo a falar, a andar - como ele só sabia emitir ruídos similares aos das galinhas, assustava as pessoas; não sabia erguer o corpo para andar como gente (pois acostumou o corpo a se mover agachado, embaixo da casa, desde tão pequeno!).

Os dentes da frente eram cacos, todos quebrados, das surras que levava dos cuidadores do asilo, que não sabiam como lidar com alguém tão diferente. 

Dormir ele dormia empoleirado, nem se deitar ele sabia...

Então, um belo dia - mais precisamente no dia 28 de novembro de 2002 - uma australiana, viúva e de meia idade, enquanto visitava o tal asilo, foi convidada por uma amiga a conhecer o "garoto que se alimentava como as aves"...

Ele era tão selvagem como jamais ela poderia sequer imaginar. Ele era imundo, com longos e desgrenhados cabelos cobrindo seu rosto, barba e bigode repletos de restos de comida e sujeira. Não se podia dizer se ele era um homem, um garoto ou um velho. 

Mas...

Elisabete Clayton - esse era o nome da mulher - olhou em seus olhos e enxergou um ser humano perdido lá dentro! 

Apesar da sujeira, da selvageria, da agressividade - ela não viu um animal... 

Apesar do único som que ele era capaz de emitir não lembrar em nada a fala humana, apesar dele não erguer seu corpo, não saber sorrir e não saber nem mesmo dormir ela sentiu sua vida ligada à dele por um laço inexplicável - ela não podia simplesmente lhe dar as costas e seguir vivendo. 

Tinha que fazer alguma coisa.

Não foi fácil. Ele no começo a agredia, não confiava em ninguém... Tudo teve que ser ensinado a ele: até hoje suas mãos atrofiadas pela falta de uso sentem uma dificuldade imensa em fazer coisas que para as outras pessoas são automáticas e normais. Teve que aprender a ser gente.

Elisabete, com muita paciência e amor, está conseguindo socializá-lo - um pouquinho por vez. Até o adotou como filho...

Fez mais: transformou uma casa em orfanato e acolheu mais dezesseis crianças, dando a elas uma condição digna. Mas Sujit é seu favorito, seu projeto de vida. Todos os dias ele é levado para passear na praia, todo o tempo conversam com ele, lhe dão o amor e a atenção que ele nunca teve. Gradativamente está aprendendo a andar.

Ele aprendeu a sorrir...

Tomei conhecimento de sua história num documentário, feito por uma antropóloga americana - e fiquei pensando...

De todos os filhotes da natureza, os nossos são os mais frágeis, os mais dependentes - e o são por mais tempo. Sem alguém prá cuidar de nós, não sobrevivemos. Não aprendemos se não tiver alguém prá ensinar - somente o nosso instinto não nos é de grande valia...

Imitamos as palavras que ouvimos, as atitudes que presenciamos. Convivendo com animais, animais nos tornamos...

Quantas crianças, neste exato momento, estarão convivendo com animais - não de quatro patas, não de penas ou garras, mas aqueles outros, os mais perigosos de todos os predadores...

Quantas crianças estarão aprendendo a roubar, a mentir, a odiar... Quantas delas estarão imitando comportamentos que irão deformá-las por toda a vida...

Ainda bem que Deus existe e que nada acontece sem a permissão Dele, não é mesmo? Tudo tem um porquê, uma razão, um significado (mesmo que a gente não consiga ver...).

E na sua infinita bondade Ele sempre vai colocar a pessoa certa, na hora que tem que ser, prá fazer toda a diferença e mudar o rumo de cada história. 

Cabe a nós rezarmos com fé e pedirmos coragem e força para que cada um de nós nunca perca a oportunidade de transformar o mundo, mesmo que seja uma criança por vez... 


28 comentários:

  1. bom dia Rosa
    que historia terrível, como os pais podem fazer uma coisa assim com o próprio filho ?
    mas você tem razão, no mundo tem gente ruim, mais os bons são a maioria, ao menos è melhor pensar assim.

    baci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente e cada um de nós tem a importante missão de fazer nosso melhor, ajudando o mundo a melhorar também.

      Beijos, minha querida!

      Excluir
  2. Quando vejo tanta maldade, tanto sofrimento, o que consola é exatamente pensar -Deus existe e nada acontece sem a permissão dele- nos resta aceitar, entender e tentar mudar, como fez essa pessoa iluminada que o encontrou!! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Deus ajude a surgirem muitas e muitas pessoas boas como ela, prá nos inspirarem, não é mesmo?

      Beijos, querida Luci!

      Excluir

  3. Olá!!!, Deus te abençoe bom dia, amiga amei esse texto
    que é a pura verdade, sucesso amiga.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, meu bem. é muito bom receber você aqui, volte mais vezes.

      Beijos!

      Excluir
  4. Rosa inacreditavel, tive que parar p ler a historia e n da p acreditar que a pais no mundo que tratam seus filhos assim, mesmo sabendo que ha infelizmente....q n sigamos esse exemplo, mas o dessa senhora q enxergou uma vida, um ser humano, uma alma, grde e admiravel senhora, que nos deixa um ex. De vida...

    Serve tbm p meditarmos como temos sido como pessoa, sera que sempre queremos crescer como pessoas...

    Valeu compartilhar, muito lindo.

    Bjs rose jp

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita, Rose querida! fiquei feliz que você gostou da história.

      Beijos!

      Excluir
  5. Ai Rosa, que redenção maravilhosa para uma história tão terrível…Essa senhora que o adotou é um anjo colocado aqui entre nós.
    O parágrafo final do seu post me fez lembrar de uma fala da Madre Teresa: Eu não consigo amar a todos de uma vez, só posso amar um de cada vez, eu não consigo ajudar a todo mundo, só posso ajudar a uma pessoa de cada vez.
    Bjs querida e obrigada por compartilhar esta história incrível. Sempre há esperança!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Madre Teresa era mesmo uma grande alma - não adianta reclamar que não consegue abraçar o mundo, abraça quem está perto que já é um começo... Beijos, Doutora querida, e obrigada!

      Excluir
  6. Que trsite história , mas com final feliz, pena que temos muitas coisas ainda encobertas que passam anos e ninguem nem sonha que acontecem.
    bjs
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Simone querida, existem muitas tragédias anônimas por aí, infelizmente. Que Deus nos ajude a todos.

      Beijos!

      Excluir
  7. Só pra variar estou atrasada em ler suas postagens. Mil perdões Rosa. Porque passei batido no dia do seu niver e, pelo que li, foi muito bem comemorado.
    Procurando uma imagem no mundo virtual pra você encontrei essa:
    http://www.google.com.br/imgres?safe=off&hl=pt-BR&biw=1440&bih=730&tbm=isch&tbnid=gA5dIUAn7ghyAM:&imgrefurl=http://www.flickr.com/photos/convertini_valentina/6278059592/&docid=uf9mA8_jMk4jUM&imgurl=http://farm7.staticflickr.com/6055/6278059592_b0e30bb509_z.jpg&w=640&h=427&ei=UeO4UfrsL6HB4AOkkIH4BQ&zoom=1&ved=1t:3588,r:18,s:0,i:134&iact=rc&dur=907&page=2&tbnh=183&tbnw=275&start=18&ndsp=22&tx=158&ty=122 – é um link enorme eu sei, mas cole na barra de endereços e vá para a página. Essa sim representa você.
    Suas mensagens me fazem muito bem. Fiz as contas dos 106 anos da vovó e não consigo acreditar que temos a mesma idade... vc é tão mais sábia...
    Que Deus lhe abençoe muito e aos seus. Sou mais uma a pedir por ti. E, acredito que sempre que queremos tão bem alguém esse alguém recebe realmente bênçãos em sua vida.
    E é o que você disse, não entendemos o porquê das coisas, apenas vivemos nossa fé. Poderíamos ter câimbra no momento da ação e não haveria mérito na escolha de não agir, ou arrependimento por ter agido, ou mesmo transformação quando escapamos “por pouco” de sermos atingidos...
    A história de hoje é o fruto da incapacidade de amar. Pessoas que infelizmente não conhecem o amor incondicional de mãe...
    Nossa acho que misturei um pouco de tudo... rsrs
    Um grande beijo Rosa, continue sendo feliz, sempre! E nos presenteando com seu olhar sobre o mundo, visto de dentro do mundo, trazendo risos e lágrimas, e principalmente, aflorando sentimentos.
    Bjs bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que imagem linda, Mara querida! Adorei. Não esquenta que não apareceu aqui no dia exato, eu sei como a vida da gente é cheia de afazeres - eu mesma não entro na internet todo dia... O que importa é esse carinho todo, que eu sei que é verdadeiro. Beijos e muito obrigada, minha linda!

      Excluir
  8. Certamente Deus existe e cria gente como Elisabeth Clayton, do contrário não seria possível estarmos vendo este sorrisão do Sujit Kumar.
    Ótimo fim de semana para você!

    1 - orégano no lugar do alecrim é uma ótima ideia
    2 - valeu a dica do filme... e da blusa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela receita - os "barquinhos" naufragaram todos, parecia o Triangulo das Bermudas aqui em casa - hi, hi, hi...

      Beijos!

      Excluir
  9. "Ainda bem que Deus existe e que nada acontece sem a permissão Dele, não é mesmo? Tudo tem um porquê, uma razão, um significado (mesmo que a gente não consiga ver...).

    E na sua infinita bondade Ele sempre vai colocar a pessoa certa, na hora que tem que ser, prá fazer toda a diferença e mudar o rumo de cada história.
    Cabe a nós rezarmos com fé e pedirmos coragem e força para que cada um de nós nunca perca a oportunidade de transformar o mundo, mesmo que seja uma criança por vez..."

    Concordo plenamente contigo.
    Fazia um tempinho que não aparecia... fim de ano, as meninas cheias de provas...mas gosto de vir aqui assim, com calma para ler tudinho e chorar de chorar e chorar de rir. Te adoro de montão minha querida amiga.
    MUITAS E MUITAS FELICIDADES, MUUUUUITA SAÚDE. Que DEUS te proteja e te ilumine sempre.
    Um ótimo domingo para todos aí.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rosangela querida, por todo esse carinho, por arrumar um tempinho prá mim quando pode - eu bem sei como os filhinhos tomam o tempo da gente. Obrigada mesmo! Beijos!

      Excluir
  10. Olá Rosa, li o seu texto e não acreditei o que li até agora.
    Fiquei pasma com essa história, mas Graças a Deus teve um final feliz.
    Beijos querida e um bom domingo.
    http://criandoartescarla.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tem todo tipo de gente no mundo... Beijos, minha querida!

      Excluir
  11. Oi Rosa, que história triste, mas ao mesmo tempo muito linda, e serve realmente para nós refletirmos na nossa vida e onde podemos ser útil, que Deus abençoe essa mulher que ajudou e está ajudando pessoas tão frágeis e necessitadas...
    Que pena que existem "seres humanos" capazes de fazer atrocidades como esta...você disse tudo, existem crianças sendo criadas por animais sem garras ou penas, mas que estão muito longe de serem pessoas...
    beijão e bom domingo pra você!
    Cris...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, tem horas que a gente pensa que é mentira, que ninguém seria capa de fazer coisas assim... Mas graças a Deus também tem muita gente boa, praticamente anjos na terra.

      Beijos, minha querida!

      Excluir
  12. Que história Rosa! Impressionante, pois a coragem da senhora que o acolheu e cuidou é muita bondade! Precisamos aprender com ela e muito! bjs e linda semana pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é o tipo de pessoa que Deus manda prá Terra como um farol no meio da escuridão, não é mesmo? Um exemplo a ser seguido.

      Beijos!

      Excluir
  13. Rosa...uma história incrível...que desconhecia!
    Uma história que é uma lição de vida!
    Bj amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fiquei pasma - se não tivesse assistido o documentário, não acreditava...

      Beijos1

      Excluir
  14. Que linda história, comadre!
    Difícil imaginar que tem gente capaz de fazer tanta atrocidade com crianças. Eu achava que pobreza que levava pessoas a negligenciarem os menores, mas de vez em quando vem a tona histórias horríveis de pais que maltratam seus filhos, apesar de terem recursos financeiros mais que suficientes.
    Permite contar uma historinha tbm????
    A moça era solteira, queria adotar uma criança e voltou a seu país natal,Colômbia, para fazê-lo. Visitou um orfanato e assim que chegou, um menininho de 2 anos agarrou-se a ela e não largou mais. Ela olhou-lhe nos olhos e sentiu amor de mãe. O menino tinha sido abandonado recém nascido, não sabiam quem era a mãe. Ninguém queria adotá-lo - ele não tinha pernas.
    Ela o adotou, trouxe para os EUA, e deu-lhe uma família, amor, oportunidades.
    Hoje ele tem 12 anos, é o melhor aluno da sala, fala inglês, espanhol e tá aprendendo chinês. É campeão de natação e lançamento nas olimpíadas especiais. Detalhe: nas últimas olimpíadas, ele não só levou ouro na natação como bateu seu próprio recorde do ano anterior. Ele ainda não tem pernas, não pode usar prótese. É um doce de menino. Ele é neto da minha vizinha.
    Lindo não é mesmo?

    bjo grande prá vc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que história mais linda e mais incrível! Adoro quando fico sabendo de algo assim, reforça minha fé na vida e nas pessoas, adorei!

      Obrigada por ter compartilhado comigo, Elisana querida! Beijão!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...