Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Seguindo a correnteza

Quem conhece o bairro que eu moro sabe que é cheio de ladeiras. Dizem que o nome, Penha, foi dado por D. Pedro II quando por aqui passou a caminho do Riacho do Ipiranga, a fim de proclamar a Independência do Brasil, vindo do litoral. 

Todos esses quadros dele montado num cavalo, com o braço erguido segurando uma espada, não podiam ser mais fantasiosos: na verdade não eram cavalos - e sim burros, que eram mais fortes e resistentes... - e ele estava fraquinho (devido a uma diarreia decorrente de ter comido frutos do mar estragados...) e, portanto, não levantaria nem mesmo o braço vazio (mas cadê a poesia da cena, se a realidade fosse - assim - retratada na pintura?). Daí, ao passar por aqui, ele disse que o local lhe lembrava uma localidade qualquer na França e como era lotado de penhascos e barrancos, deu o nome de "Penha de França", que é o nome da nossa avenida principal, no centro do bairro... 

A rua em que nasci e me criei é, até hoje, assim: alta de um lado, baixa do outro. De um lado as casas ficam mais altas que a rua e, do lado da casa minha mãe, as casas ficam abaixo do nível do calçamento e a gente tem que descer uma escada prá chegar na porta de entrada. Muitas vezes eu aproveitava esse desnível prá espiar o que estava acontecendo sem ser vista: escondida, no meio da goiabeira do jardim, eu olhava o que acontecia através da grade do muro - xeretando...

Havia naquele tempo muitas pessoas que ganhavam a vida - como ainda há hoje... - vendendo coisas de modo itinerante: vendedor de amendoim, pipoca, quebra-queixo, sorvete, biju, algodão doce... 

De todos, o que parecia mais pobre era um velhinho meio surdo, vestido com um paletó marrom surrado, uma calça igualmente velha e curta, usando um sapato de couro marrom sem brilho e furado e, na cabeça, um chapelão de palha rasgado - uma figura de outros tempos, já naquele tempo. Na mão, levava uma cesta de palha, como as de piquenique e, dentro dela, paçoquinhas Amor, balas Banda, doces de abóbora e de batata doce em formato de coração, bananinha , gibi e pipoquinha doce - um tantinho de cada... Tudo vendido por centavos - e, na maioria das vezes, eu não comprava apesar de ter vontade, porque não tinha centavos...

O velhinho - como eu disse - era praticamente surdo, o que significa dizer que ouvia errado o que a gente dizia. Percebendo isso, uns garotos que moravam na minha vizinhança gritavam pro velho a pergunta: "Vende fiado?" - e... bem... vocês podem imaginar o que o velho entendia, não é mesmo?

Toda vez que alguém gritava isso pro velho ele ficava fora de si, pois escutava ofensas e gritava pro vento "Quem falou isso? Vocês não tem educação? Eu vou descobrir onde vocês moram, vou falar com a mãe de vocês...". Tadinho...

Me dói pensar que, um dia, eu fui como um desses meninos... Não sei onde eu estava com a cabeça - ser criança não é desculpa. Eu vi os garotos rindo tanto, escondidos dentro do quintal de um deles, que senti vontade de rir daquele jeito também: escondida ali, no meio da goiabeira, eu gritei "Vende fiado?" e, de imediato, como se recebesse de volta um tapa na cara, me senti a pior das criaturas. Não senti vontade de rir: o transtorno do velhinho me doeu como se ele fosse meu próprio avô, que havia morrido alguns meses antes...

Corri e fui contar prá minha avó - prá perguntar por que eu tava me sentindo tão triste... Lá estava ela, o avental ensopado de água na barriga, esfregando roupas no tanque - o cheiro gostoso do sabão criando uma aura perfumada em torno dela. Depois de me escutar ela parou de mexer nas roupas, enxugou o rosto suado no ombro do vestido e, me olhando com aqueles olhos grandes e cheios de amor, me disse:

-"É assim mesmo, Rosa... Quando a gente não pensa nas coisas antes de fazer, acaba tendo que pensar muito nelas depois, remoendo, remoendo... Remorso é assim. Prá isso que Deus deu cabeça prá gente pensar: pensando bem antes de fazer - na maioria das vezes - a gente evita ter que sofrer com o remorso depois...".

Eu entendi claramente a lição - como sempre entendia tudo o que ela me falava, pois a chave do meu coração era dela... Ainda hoje eu carrego em mim esse remorso, esse fardo absurdo que eu me condenei a levar porque não pensei. Rosa, a "Maria vai com as outras". 

Prometi prá minha avó - e, mais importante, prá mim mesma - nunca mais fazer coisas sem pensar; prometi nunca mais me deixar levar pelos acontecimentos, pelo chamado do grupo e fazer o que os outros fazem, sem ter um bom e justificado motivo prá isso.

"O grupo" - que seria da espécie humana sem ele? Imagina uma pessoa sozinha prá sobreviver na natureza, sem outros seres humanos prá lhe fazer companhia? A gente divide tarefas, compartilha alimentos, moradia, se protege mutuamente, faz planos, divide sonhos... Os bons seres humanos carregam os feridos em meio à guerra!

Eremitas, no meu entendimento, são pessoas literalmente absurdas, selvagens, contra a natureza da nossa espécie - muito embora eu, às vezes, bem lhes entenda o motivo prá fugir ao convívio dos outros, vocês não?. 

Seguir o movimento do grupo pode significar a diferença entre a vida e a morte, em muitas situações: imagina o homem pré-histórico coletando frutos e, num canto, o alerta de um deles avisando da chegada de um predador. Normalmente o grupo mais próximo corre prá longe do bicho - e seguir esse grupo seria a melhor escolha. 

Contudo, o chamado do grupo nem sempre é correto. O grupo também se une prá fazer besteira, prá depredar, invadir, cometer violências. 

Torcedores fanáticos matam pessoas que torcem pro time contrário, anônimas e protegidas pela força do grupo. 

Arruaceiros de cabeça escondida em panos depredam ônibus, órgãos públicos, invadem e roubam mercados - bandidos disfarçados de revolucionários sociais.

As máfias são grupos...

Mas não é só da violência física que se valem os grupos: as discriminações correm soltas nas redes sociais - causando danos tão grandes quanto as destruições físicas. 

Discrimina-se quem é gordo, negro, pobre, gay... Ataca-se quem é umbandista, católico, espírita, evangélico... Cada grupo se acha dono da razão e repleto de direitos de discriminar, humilhar e excluir quem não faça parte do seu círculo...

Tempos difíceis...

A globalização que devia nos unir e os veículos de comunicação que deviam suprir nossas diferenças culturais e de idioma, nas mãos erradas, se tornam ferramentas de separação e de incentivo ao ódio. Cada vez mais parece que deixamos de ser uma única espécie e retornamos às tacanhas noções de raça e de casta: nos apegamos a mixarias que nos dão a falsa noção de sermos melhores do que os outros, mais bonitos, mais merecedores de uma posição de destaque perante o resto da humanidade.

Prá quem vamos correr e perguntar o porquê das tristezas, o que é certo e o que é errado? No ombro de quem vamos chorar nossos erros e ao lado de quem vamos nos sentar, remoendo os remorsos, se continuarmos assim, nos separando de tudo e de todos?

Nem sempre seguir a correnteza leva a um lugar bom, a um porto seguro...

Tudo o que é alimentado cresce e se torna forte, seja uma laranjeira ou uma erva daninha, uma criança ou um sentimento.

Se continuarmos alimentando as diferenças, não nos sentiremos filhos do mesmo Pai nunca.

21 comentários:

  1. Rosa...a mente foi construindo...a alma abriu-se...
    e o coração falou mais alto...
    e é assim que nasce a escrita!
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria da Graça querida. Beijos!

      Excluir
  2. Rosa, rosinha,

    Lendo sua narrativa, senti muita pena desse velhinho...ai...eu bem lembro de pessoas assim, idosas, frágeis, da minha infância também.

    Acho que sua vozinha deu-te uma sábia resposta...o acontecido, serviu para seu crescimento e como uma lição de vida!

    Penso que tudo tem a infância como base.

    Nossas crianças precisam de educação emocional amorosa e firme, para que os bons valores criem raízes.

    Para que cresçam com sentimentos de tolerância e respeito para com o diferente.

    Infelizmente os educadores - pais - falham feio, estando ausentes na educação, delegando às escolas ou a qualquer grupo...bem...os frutos são amargos e nos assustam!!!

    Querida, tenha uma ótima semana, com bons momentos!!

    Ahhhh....eu sempre falei para os meus pequenos alunos sobre a verdadeira história da diarreia do nosso herói...kkkkkkkkk

    beijinhos,

    Lígia e =ˆˆ=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, então seus alunos já crescem de olhos abertos... Você deve ser uma professora excepcional, Ligia querida. Deve ser um privilégio te carregar na lembrança...

      Beijos!

      Excluir
  3. Olá Rosa, primeiro quero agradecer seu carinho.
    Gostei muito de ler seu post e aprender um pouco sobre a sua cidade.
    O texto ´uma verdadeira história.
    Beijos e uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que agradeço, Carla querida. É sempre uma alegria te receber aqui. Beijos.

      Excluir
  4. nossa que aula d rosa, sempre com uma historia de vida pra nos contar, e nos ensinar a ser pessoas melhores. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elisabete querida - sempre me faz feliz saber que você gosta. Beijos.

      Excluir
  5. Rosa, querida (muito querida!), aprendi que ser focada é importante. Ser focada é ser consciente. E tenho horror, pavor ao bulling, ao abuso do grupo sobre o indefeso, seja ele quem for.
    Será que nunca pratiquei bulling?
    Receio que a resposta me envergonhe, dada embora, a desculpa de ser criança. Para me redimir, asseguro, juro a pés juntos, que na atualidade, jamais, que hoje cultivo o sorriso, o carinho , o bom trato e a delicadeza que têm retorno garantido.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sortuda você é, Nina querida - já veio pronta. Eu ainda estou em construção, tijolinho por tijolinho...

      Beijos e muito obrigada pelo carinho!

      Excluir
  6. Oi Rosa,

    Adorei seu texto, mais uma vez, um "caminhão" de fichas caiu...
    Principalmente o trecho: Prá quem vamos correr e perguntar o porquê das tristezas, o que é certo e o que é errado? No ombro de quem vamos chorar nossos erros e ao lado de quem vamos nos sentar, remoendo os remorsos, se continuarmos assim, nos separando de tudo e de todos?

    Somente através do amor compartilhado há alguma esperança para nossa espécie...
    Bjs querida e ótima semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Doutora querida - de você sempre vem a medida certa das coisas, da sua sabedoria...

      Beijão!

      Excluir
  7. 'Quem nunca'.... não é mesmo, Rosa. Mas como é bom termos ciência disso. Temos a oportunidade de vigiar, de mudar e melhorar sempre. A palavra RESPEITO é uma das minhas preferidas!! Saudade das balas Banda, paçoquinhas e gibis!!
    beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As balas banda eram as minhas favoritas! cheguei a ter desejo delas numa das gestações - eram ótimas, não tem comparação, não é, Luci querida?

      Beijos!

      Excluir
  8. Maravilhoso seu post.
    Vc é uma grande jornalista.
    Meu lema é... não fazer ao próximo o que não queremos que façam para nós.
    Linda semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só dona-de-casa, Rosangela querida - mas gosto de contar histórias. Fico feliz que você gostou. Beijão!

      Excluir
    2. Rosa querida, suas história são sempre maravilhosas, o olhar que vc tem perante os acontecimentos e a maneira como vc os descreve... por que não dizer és também uma grande jornalista?
      Ah! E como é que fui me esquecer de dizer da sua vovózinha linda e com uma alma iluminada.
      Que DEUS a abençoe e a ilumine imensamente.
      Beijo grande.

      Excluir
  9. Rosa

    Quem de nós não tem, pelo menos, uma história assim para contar da infância onde se fez algo e depois sentiu remorso!?! Faz parte da aprendizagem e esta a lição que fica para sempre marcada na nossa vida.

    Também tenho uma história que me deixou com remorso mas que depois virou uma das grandes lições de vida!!

    E nada acontece por acaso!

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim mesmo, Fatinha querida: a gente aprende mais com os erros do que com os acertos...

      Beijos!

      Excluir
  10. Rosa, tuas memórias são belas... acho que sempre observaste o mundo com o coração. Amo te ler. Me transporto para as tuas memórias.
    Doces de abóbora e de batata-doce em formato de coração, nunca vi. Queria conhecer...
    A tua traquinagem foi punida por ti mesma, pela tua boa consciência. Eu também cometi transgressões quando criança. Desse tipo rs. Nada que ferisse alguém profundamente. Mas o remorso era impiedoso.

    Temos muita atenção com as atitudes dos nossos filhos. Semeamos amor o tempo inteiro. Cultivamos o hábito de colocá-los em situações de escolhas, orientando sempre no sentido do que é justo. Mas nunca estaremos seguros. Damos a liberdade e não sabemos exatamente como são os amigos, as famílias dos amigos. Aflige.

    Verdade amiga, o pertencimento a um grupo é necessário ao ser social. Sabemos quem somos e nos firmamos como 'gente', em contraste com o outro. É através do outro que relativizamos nossas atitudes e conceitos.
    Adoroooo teus textos! Deverias escrever crônicas. Escreve, vai!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, é através do convívio em grupo que nós nos transformamos - prá melhor ou prá pior... Cabe a nós orientar os filhos e permanecer de braços abertos prá eles. Cada um tem seu caminho, não é mesmo - e eu acredito que Deus está tomando conta, principalmente se ensinarmos direitinho. Beijos e muito obrigada - e as minhas crônicas... Acho que são as postagens...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...