Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

quinta-feira, 8 de março de 2012

A Mulher e o Castiçal



"Só a mulher pode abençoar o lar. 
As mulheres piedosas salvam o mundo”
(do Talmude)

Ao fundo de uma rua sombria, um vulto de mulher se esgueirava e perdia-se de vista. 

Perdido também estava Daniel em seus pensamentos, embaralhados e inquietos como seu próprio coração. Sentia-se envolvido por uma atmosfera de tristeza que ele não conseguia explicar, uma insatisfação eterna e totalmente sem saída. Será – pensava ele – que seu pai, tão prudente e sensato, conseguiria lhe dar o amparo moral que tanto necessitava?

Ao ser tocado no ombro, pela  mão larga e trêmula de seu pai, Daniel  se viu refletido – como sempre – em um par de  olhos de extrema bondade:

- Filho... Confia em mim. Você sabe que eu não te faltaria com a verdade e que sou leal ao teu coração como convém a um homem de bem ser leal ao seu próprio filho. Todas estas queixas e recriminações que acabas de fazer e toda essa revolta que percebo em seu tom de voz são, a meu ver, uma grande e dolorosa injustiça.  Você está revoltado contra o Destino, achas que tua vida está aniquilada e sem saída e, no entanto, o Destino tem sido, para com você, repleto de bênçãos de toda espécie. Desde a época do teu acertado casamento...

- Acertado casamento? – repetiu Daniel, sublinhando, irônico, as palavras do pai. – Esse casamento, que todos enfeitam com as lantejoulas dos elogios fáceis, não passou, afinal, de um erro deplorável de minha vida.

O velho e experiente Renato esboçou um sorriso de tolerância e bondade.

- Toquei precisamente no ponto vital, visto que julgas que de teu casamento partem todas as contrariedades e desgraças da tua vida... Não te sentes feliz com tua esposa:  mais de cem vezes ouvi de tua boca palavras de queixas e censuras destinadas àquela que escolhestes como mãe de teus filhos.

- “Falta-me quem me compreenda” – você diz... “Tenho  junto de mim alguém de uma intolerável vulgaridade”. Levado pela eterna insatisfação dos teus desejos,  envolves tua boa Lenida num véu de defeitos e fraquezas, tornando-a a menos desejável de todas as esposas. Como explicar essa tua atitude em relação a uma mulher que, em tempo não muito distante, já obteve as preferências de teu amor? Mas acho que sei o que está acontecendo,  meu querido filho. Você insiste em fazer paralelos entre ela e as outras mulheres, paralelos em que as duas partes são vistas desigualmente e nos quais você sempre a vê com olhos desfavoráveis. 

As fantasias da tua imaginação enfeitam as esposas ou as amantes dos teus amigos: imaginas nelas qualidades raras, encantos admiráveis, enquanto que de tua paciente companheira só sabes realçar os defeitos, e esqueces – por completo – de suas boas qualidades. Quero te lembrar que não dei palpite algum quando decidistes te casar. 

Fiquei aflito, é verdade, com medo que fizesses uma escolha infeliz guiado por teu temperamento arrebatado. Tive medo que trouxesses para teu lar uma mulher que não fosse digna do teu afeto. Um erro desses seria fonte de muito arrependimento e desgostos. Com o tempo, pude observar, no dia a dia, o jeito de ser de tua esposa, procurando encontrar a razão de tuas queixas, se eram ou não justas... Mais de uma vez eu quis te abrir os olhos, filho (como agora estou fazendo) e revelar a você uma verdade que desconheces. Se não fiz isso há mais tempo foi unicamente por acreditar que seria mais nobre se teu próprio coração conhecesse a verdade, guiado pelo teu bom senso de marido e pai. Tua esposa é carinhosa e simples; esforçada e econômica; trabalhadora e zelosa. Muito longe está de ser brilhante como uma artista ou de possuir um talento excepcional; mas é sensata e agradável no conversar, discreta nas atitudes e modesta nas maneiras. Jamais se queixa da pobreza em que vive, nem inveja os belos colares e vestidos que algumas amigas ostentam. Nada exige; nada reclama. Se alguma vez pareceu faltar-te foi porque você não a procurou como devia. Lá estava você, julgando-a  a léguas de distância quando, em seus pensamentos, ela estava bem ali, sempre, do teu lado... Mãe extremosa, jamais descuidou um momento dos filhos, para os quais tem uma dedicação incomparável. 

Será linda? Nada quero afirmar a respeito, mas, pelo que tenho ouvido de bocas insuspeitas, tua mulher seria capaz de fazer boa presença entre as mais belas moças de nossa cidade. Só você, filho, é cego... Inteiramente cego para apreciar as belas qualidades que enfeitam tua esposa.

- Mas, meu pai...

- Não me interrompas, Daniel – continuou o pai 

– Te falo ao coração com a franqueza de um amigo verdadeiro e com a lealdade de um pai dedicadíssimo. Para mim seria fácil provar a você que talvez você não seja digno da esposa que tem...  Infelizmente, conhecendo-te como conheço, creio que seria difícil convencer-te disso. Contudo, acho que o sentido perfeito de minhas palavras pode ser compreendido totalmente se você tiver paciência de ouvir de mim uma pequena lenda, ou melhor, uma simples história, quase infantil. A história de um castiçal. Queres ouvir?

- Conta-a, meu pai.

-Era uma vez (por que não começar assim?), era uma vez, repito, um pobre jardineiro, humilde e muito pobre mesmo, que se chamava Tagil.

Ao regressar, um dia, de uma excursão à floresta, avistou Tagil um viajante desconhecido que se achava em perigo ao ser assaltado por dois ladrões, numa estrada deserta. Tagil, que tinha alma nobre e era muito valente, sem medir as consequências de sua coragem, atirou-se, em socorro do viajante e conseguiu, graças a sua força e coragem, pôr em fuga os dois bandidos.

O desconhecido (que, aliás, era um rico mercador), ao chegar à cidade, disse ao corajoso Tagil:

- Meu amigo, se não fosse a sua ajuda agora eu estaria morto. Devo a você minha vida. Como lembrança de minha eterna gratidão, quero dar a você um presente.

O mercador entregou então ao jardineiro uma pequena caixa amarela de couro trabalhado.

Tagil, nem bem chegou em casa, abriu ansioso, cheio de curiosidade, a misteriosa caixa para saber o que de tão precioso ela continha.

Com enorme espanto encontrou apenas um castiçal, de forma estranha e de metal escuro e pesado.

- Ora, um castiçal! – exclamou ele, profundamente decepcionado com aquela triste descoberta. Ora vejam só! Arrisco a vida, luto contra perigosos bandidos de estrada e, no fim de tudo, ganho esta droga! Que vou fazer com isto? Em que poderá um simples castiçal melhorar ou remediar minha vida? Seria preferível que o mercador tivesse dado a mim um punhado de moedas de prata!

Convencido de ter sido enganado em suas esperanças, vencido pela desilusão que lhe trouxera tão desvalorizado presente, Tagil atirou a peça em um canto e ali o deixou, esquecido, abandonado como coisa inútil e desprezível.

- Ora! Um castiçal!!!

E Tagil , cada vez que punha os olhos no castiçal, se lembrava com tristeza do logro que sofrera ao receber a caixa amarela do rico mercador.

-Ora, um castiçal!

O certo é que o mísero castiçal rolava, como se fosse uma inutilidade, de um lado para outro em casa de Tagil. 

Tendo, certa vez, caído pela janela abaixo, esteve muitos dias ao relento, perdido em um terreno imundo. 

Outra vez, durante muito tempo, serviu de calço a um móvel partido e, por fim, até de martelo acabou sendo usado, manejado pelas mãos fortes e calosas de seu dono.

Um dia, afinal, Tagil, oprimido pelas dificuldades da vida, deixou a casa em que morava e foi residir numa cidade próxima, onde esperava arrumar trabalho. Levou consigo quase todos os objetos que possuía; deixou apenas, sobre uma mesa tosca e suja, como coisa imprestável, o pesado castiçal que lhe fora presenteado pelo rico mercador a quem salvara a vida.

Ora, aconteceu que a casa deixada por Tagil foi ocupada, dias depois, por um músico de profissão.

Leonardo (assim se chamava ele) era um homem pobre e trabalhador; ao encontrar o castiçal abandonado, teve a impressão de que se tratava de uma peça curiosa e digna de atenção. Cuidando, desde logo, de livrá-lo do pó que o cobria e das manchas que o enfeavam, notou que apresentava na superfície da base certas linhas e figuras de modo muito singular.

Deslumbrado com a inesperada descoberta, Leonardo começou a examinar com toda a meticulosidade o desprezado utensílio e acabou descobrindo que se tratava de uma verdadeira maravilha. A figura da base era, sem dúvida, execução paciente de um artista genial. Via-se gravado no metal, com traços admiráveis, quase imperceptíveis, a figura soberba de gigantesca embarcação deslizando impávida em um mar imenso, brandamente beijada pela espuma de ondas inquietas; inclinando-se um pouco o castiçal, mudava-se completamente a cena. Agora distinguia-se uma bailarina com seus véus, dançando no meio de um lindo jardim. Desviando um pouco o olhar para a direita, notava-se que a bailarina desaparecia, surgindo um magnífico castelo, com suas torres apontadas para o céu. Procurando-se com cuidado, uma disposição conveniente, graças a um fluxo de luz, via-se ainda um corcel negro a galopar sobre uma montanha de nuvens. Tudo isso o genial gravador fizera esculpindo com incrível paciência a superfície de metal pólido do castiçal.

Sem perda de tempo, Leonardo levou o maravilhoso objeto a diversas pessoas, e todas tiveram a oportunidade de admirar a extraordinária perfeição do originalíssimo trabalho. E Leonardo, ao desfazer-se do precioso castiçal, ganhou uma fortuna incalculável.

Como é singular o destino das coisas!

O que nas mãos de Tagil era uma peça inútil e sem valor tornara-se uma verdadeira preciosidade aos olhos inteligentes de Leonardo. Este, mais hábil, soube, com finura, ver as maravilhas que o outro jamais conseguira vislumbrar.

Quantos homens não há, por este mundo, que cercados por tesouros que não apreciam, homens cujos olhos, desorientados por sentimentos maus, não chegam sequer a perceber o brilho ofuscante das pedras preciosas que os rodeiam?

Tens, meu filho, em tua casa, um precioso castiçal que o Destino depositou em tuas mãos. 

Cuida dele com carinho e cuidado. Não queiras ser o ridículo Tagil da lenda, que não soube avaliar as grandezas do tesouro que possuía.

Terminada a narrativa, Daniel finalmente se ergueu.

As últimas palavras de seu pai ainda vibravam no ar, ecoando em seus ouvidos.

- “Não queiras ser o ridículo Tagil da lenda...”

A tarde caía lentamente. As primeiras sombras já se acomodavam nos recantos que a luz ia, pouco a pouco, abandonando. Naquele momento Daniel se lembrou que sua esposa, sempre bondosa, estaria, com certeza, resignada à sua espera.

Estranho remorso, do qual não podia desvencilhar-se, oprimia fortemente seu coração.

Sentiu uma vontade imensa de correr pra casa, abraçar sua mulher, abraçá-la muito, beijá-la como já não o fazia há muito tempo.

- Vai, meu filho. Vai.

(Mais um conto lindo de Malba Tahan – adaptação minha)

A todas nós, admiráveis castiçais: Feliz Dia da Mulher... 

2 comentários:

  1. Oi Rosa!
    Feliz dia da mulher p vc tb!!
    Hoje cedo, lembrei de vc... Passei roupas...
    hihi, Bjs, ninna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sina, essa nossa! Veja só: em pleno Dia da Mulher, nós duas passando roupas... Tenho certeza que você também preferia estar criando algo lindo ao invés disso. Fazer o quê, né?! Beijos!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...