Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Filomena



Quando Filomena era ainda uma menina, recém chegada de Portugal, perdeu a mãe para o tifo. O pai, de desgosto, se acabava em bebida: tendo chegado no Brasil (como muitos imigrantes) com a intenção de prosperar, se viu derrotado pela dor da perda e, mesmo tendo por companhia a menina, desistiu de lutar.

Do jeito que as coisas iam logo estariam mortos ou relegados à caridade alheia... Moravam num quarto, na primeira casa de cômodos que abrigou meu avô e minha avó logo que foram morar juntos - uma maneira bem comum dos portugueses recém chegados arrumarem um ganha-pão: construir uma casa grande rapidamente e alugar os quartos para os recém chegados do Velho Continente.

Filomena foi crescendo e se alimentando da piedade dos outros moradores da casa, pois seu pai - como eu já disse - só prestava prá se acabar em auto-piedade...

A menina estava quase beirando a adolescência, aos 10 anos, mas já se via que era bem bonita, com quem minha avó simpatizou à primeira vista (pois foi por essa época que as duas se conheceram...). Meus avós alugaram ali um quarto provisoriamente, enquanto meu avô levantou sua primeira casa num terreno próximo.

Alguns meses depois meus avós se mudaram dali prá própria casa e apesar de não estarem longe, pouco se viam: minha avó - que já tinha um filhinho quando foi morar com meu avô - ficou grávida algumas vezes, perdeu as crianças e vivia com seus próprios afazeres e problemas.

Meu avó trabalhava no que dava - ajudou a construir estradas de ferro, assentar os dormentes, levantar as estações - mas também vendia leite das vacas que ele criava...

Uma das freguesas assíduas era a dona da casa de cômodos onde Filomena ainda vivia - a quem meu avô quase nunca via, pois entregava o leite muito cedo...

Uma madrugada, no entanto, quando meu avô estava a entregar o leite, reparou numa confusão acontecendo na casa, uma gritaria, um quebra-quebra! Escutou a menina chorando, gritando com outro morador da casa:

-"Você tem que se casar comigo, eu tô esperando filho! Você desgraçou a minha vida, abusou de mim, pelo menos isso você me deve!!!"

E o homem, muitos anos mais velho do que ela, respondia rindo que não tinha nada que ver com isso, que ninguém podia obrigá-lo a se casar...

-"E quem vai me obrigar? O bêbado do seu pai?"...

E a pobre da Filomena só chorava, uma menina ainda...

Bom, meu avô tinha um outro freguês assíduo do leite das vacas dele: a Delegacia de Polícia, que também comprava os pães que minha avó assava prá dar alimento pros presos...

Naquela manhã meu avô chegou pro delegado e pediu um favor - e meu avô era um homem muito simpático, era amigo de todo mundo... Pediu pro delegado ir até aquela casa, obrigar o tal homem a casar com a Filomena - e o delegado foi. 

Nem bem o casamento se realizou, forçado mesmo, o homem cuspia palavras revoltadas na cara da menina:

-"Eu posso ter sido obrigado a me casar com você, mas ninguém neste mundo pode me obrigar a ser teu marido!"

E Filomena, feliz e satisfeita, respondia que não precisava: que ela era uma mulher casada e que o filho não ia ser bastardo. "Preferível ser mulher largada do marido que ser mãe solteira...".

Mas - naquele mesmo dia - depois de ir embora, o homem (que se chamava Juvenal) voltou trazendo uma cama de casal comprada de segunda mão na traseira de uma carroça e foi marido prá Filomena por toda sua vida - entre tapas e beijos, mas foi...

Tiveram dois filhos - somente dois. A primeira se chamou Olívia e foi a paixão declarada de todos os meus tios, irmãos de minha mãe. Era linda como uma estrela de cinema e era bem consciente disso. Conta minha mãe que ela fazia meus tios de gato e sapato, brincando com os sentimentos de todos - tem mulher que já nasce assim, espevitada...

Ao ficar maior de idade fugiu de casa: foi pro Rio de Janeiro virar artista. Virou dançarina daqueles cabarés de antigamente - vedete, era como se chamava...

Já o filho, que recebeu o mesmo nome do pai, era muito quieto - o tipo de pessoa que parece ter nascido com a pilha fraca, sem iniciativa prá nada, a chama da vela apagada... Nunca se casou, nunca construiu nada, nunca fez nada que fosse digno de nota - talvez só morrer atropelado pelo bonde, pobrezinho. Por isso saiu o nome dele no jornal...

Eu me recordo de sempre chamar Filomena de "tia" - e só descobri já adolescente que ela não tinha nosso sangue... Era difícil o mês que ela não vinha visitar a gente - e eu adorava, deixava de brincar com minhas amigas prá ficar perto, ouvindo as conversas da minha avó, da minha mãe e dela. Parecia uma viagem no tempo, tantas lembranças elas compartilhavam, tantas risadas, tantos pesares...

Foi por esse tempo que eu descobri que adorava gente velha, ouvir suas histórias...

Filomena tinha um cheiro esquisito - minha avó dizia que ela tinha medo de escorregar no banheiro então tomava banho de paninho molhado sentada numa cadeira e depois se enchia de talco, prá ficar mais cheirosa: o fato é que se enxergava talco nas dobras dos braços, do pescoço e até na raiz dos cabelos brancos coloridos de lilás com água de violeta genciana: batom vermelhão naquela boquinha murcha, pulseiras e anéis de bijuteria descascada pelo tempo e pela oxidação, as meias bege escorregando dos joelhos porque o elástico era velho. Uma figurinha doce e engraçada, de risadinha infantil a contar vantagem:

-"Sabia, Rosinha, que minha filha Olívia foi muito linda quando moça? Foi até amante do presidente Getúlio, até a Virgínia tirar ele dela...".

Essa era a Virginia Lane - prá quem não conhece... Teve mesmo um relacionamento com o Presidente Getúlio Vargas por 10 anos...

E eu concordava com a cabeça, embevecida pela imagem de uma Super-Olívia que eu nunca vi - pois tia Filomena não tinha nenhuma foto dela prá mostrar - de pernonas de fora, roupas minúsculas cheias de pedras preciosas e plumas de pavão a rebolar com as músicas, como nos filmes do Oscarito...

Depois que minha avó morreu ela ainda apareceu prá visitar algumas vezes, mas o tempo também se abateu sobre ela: as pessoas velhas vão perdendo as forças à cada amigo que se vai e minha avó levou um pouquinho da força dela embora, infelizmente.

Um dia ela simplesmente não voltou mais...

Mortos os filhos, nunca teve netos... Dela só nos lembramos eu e minha mãe - meus irmãos nunca deram atenção, quando falamos no nome dela eles nem sabem quem é...

Grande parte das histórias acontece assim, pouquíssimas testemunhas... Parece até sem sentido passar pela vida e, um dia qualquer, só porque o relógio pára, desaparecer por completo da face da Terra...

Mas cada linha escrita pela nossa passagem pela vida tem também as suas entrelinhas - essas escritas pelo destino (ou, mais precisamente, por Deus...). As vidas se tocam mutuamente...

Meu avô e minha avó, a menina Filomena e seu pai; o homem que abusou da menina e que foi forçado a se casar com ela... O delegado de polícia... Meus tios, a linda Olívia e o Presidente do Brasil: cada história se tocou em algum ponto e seguiu adiante, transformada mesmo que de leve... 

Todos eles já se foram e também fizeram, de uma forma ou de outra, parte da minha própria história... Porque afinal também as histórias anônimas acabam sendo contadas por alguém, em algum momento: elas também anseiam por serem lembradas, por não serem tão facilmente esquecidas...  

E assim aqui estou eu, a caminho de ser o meu tantinho igual a Filomena, carregando comigo o peso do tempo e uma mala cheia de histórias prá contar, sabendo que - de uma forma ou de outra - continuarei sendo lembrada...

15 comentários:

  1. Rosinha, e assim, do nada, você passa a fazer também parte da minha história, viu?
    Leio com delícia cada palavra tua!
    1000 beijos

    ResponderExcluir
  2. Adoro o seu jeito de simplificar a vida nada fácil de alguém que conhece ou ouviu falar! Bj amigo

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito dos seus posts. Fiquei imaginando como eram as personagens dessa história à medida que lia o texto, assim como fico imaginando como você é.
    Gosto muito de ler sobre as roupas q faz com economia, pois me identifico com esse jeito.
    Te desejo muita saúde, criatividade e muitas bençãos. Bjos.

    ResponderExcluir
  4. Rosa querida, que nostalgia...
    É impossível não ler quando passo por aqui!
    Gosto da forma que você escreve...nos faz
    viajar no tempo e imaginar cada história vivida!
    Se você vai ser lembrada?
    Com certeza...A Rosa na Janela!
    Luz, Amor e Paz pra você!
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. adoro ler os seus textos.....bj no coração

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Olá Rosinha

    Muito interessante este seu texto. Quantas Filomenas de Portugal emigraram para o Brasil e tiveram igual sorte... O eldorado do País irmão sempre atraiu os mais pobres, e muitos prosperaram, outros como os pais desta Filomena, ficaram com a riqueza da ilusão.
    Gostei muito da sua descrição, envolvi-me, e até fiquei um tanto emocionada. (mérito da escritora Rosinha)

    De Portugal, um beijinho da Dilita, do blog rendadebirras

    ResponderExcluir
  8. Rosa que linda história, também me sinto assim... Gosto das minhas histórias e de vezenquando eu as conto em meu blog, essa sua eu amei, li até o final e me emocionei. Um xeru!

    Sandra
    http://pedacinhobysandra.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Ai Rosa, como gosto das tuas histórias!!! Consigo imaginar cada cena, como num filme. Amo. E começo a pensar nas minhas próprias histórias e lembranças. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  10. Rosinha, que linda a história da Filomena, dava um livro amiga,
    beijos e boa semana

    ResponderExcluir
  11. Pois é, Rosa

    E nós passaremos também. Se seremos lembradas? não sei...sei que você faz a sua parte e cada qual a sua devida. Mas eu acho triste essas histórias de pessoas que viveram tantas experiências e depois se vão...e é como se nem tivessem passado por este mundo. Ainda bem que tem alguém que se lembra e fala da Filomena. A fez "viver" neste seu relato de convivência com ela apesar de forma breve. Sua lembrança já deve deixá-la feliz se é que ainda não reencarnou.

    Respondendo tua pergunta no meu blog....aquela loja na estrada....tem realmente muitas coisas lindas. Já é a 3ª vez que passo lá para ver as belezas...mas...os preços....ah...os preços!! não estou desmerecendo mas não dá para pagar R$ 800,00 em um quadro (aquele de flores em arame forjado) quando sei que em S.Lourenço, pois estive nessa cidade mineira a quase 3 meses atrás, há "n" quadros como aquele e muito mais variedade em valores 50% a 60% abaixo. Quando estivemos em Tiradentes e S.João del Rey, em 2010 ou 2011 vimos muito desses artesanatos, no caminho entre essas duas cidades históricas (aprox.10km de distância) e as casas (moradias) haviam expostas nas garagens os trabalhos artesanais variadíssimos dos moradores. Era algo incrível de se ver como o artesanato nesse pequeno trecho complementa ou forma a base de sustento dessas pessoas. Quando por lá passei compramos alguns artesanatos, princ. tapetinhos em tear e alguns bibelôs princ. anjinhos barrocos. A maioria presenteei no Natal e foram novidades em SP que agradou quem recebeu.

    Dessa loja, eu só tomei o café (delicioso por sinal) e um pão de queijo saído da hora do forninho.

    Bom, tenha ótimo dia. No mês que vem terei mais tempo para blogar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Muito interessante essa reflexão, todos nós temos uma história , que de alguma maneira será repassada , algumas serão famosas outras nem tanto , mas isso não faz diferença.
    Leide Lima
    http://www.artesbyleidelima.com.br

    ResponderExcluir
  13. Very cool blog! I like it a lot.


    here are my links and if you like to follow just follow and leave me your links aswell and I'll
    follow back!



    My Blog
    Bloglovin | Instagram @suvarna_gold | LookBook | Facebook |


    Style up your Blog |
    Advertise your Blog |
    Stay Gold

    ResponderExcluir
  14. Que texto! Você escreve muito bem. E sabe que não passará sem deixar tua marca na história de todos os que te lêem, não é mesmo! Parabéns!.

    ResponderExcluir
  15. Lindo texto! E por ele, vc já faz parte da minha
    história...
    Obrigada pelos momentos agradáveis!
    Bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...