Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

A boa conselheira


Se diz muito por aí que "a noite é uma boa conselheira" - e realmente é. 

Quantas vezes vou dormir cheia de preocupações com as pessoas que eu amo ou com o mundo no qual vivemos - que, convenhamos, não deixa de nos surpreender todos os dias e nem todas as surpresas são boas... - e até mesmo pequenos dissabores, como uma costura que não está dando muito certo e, ao acordar, com os olhos descansados, enxergo tudo sob uma nova perspectiva...

Mas, às vezes, nem mesmo a noite traz solução.

Eu sei, isso é sintoma clássico de "falta de fé em Deus" - e eu, como a maioria dos seres humanos, sofro disso de vez em quando, da mesma forma que uma vez ou outra pego uma gripe ou tenho uma dor de barriga (e comparar a falta de fé com uma doença não é exagero: cientistas americanos recentemente descobriram o "gene da fé", um "negocinho" biológico microscópico que algumas pessoas tem e outras não - como os genes que nos dão a cor dos olhos ou a espessura e forma dos cabelos... Pessoas que não conseguem, de jeito nenhum, acreditar em Deus, não tem esse gene...).

Fé... Jesus dizia que se a gente tivesse fé do tamanho de um grão de mostarda conseguiria dizer prá uma montanha: "Passa daqui prá lá" e ela iria passar - e nada nos seria impossível...

Bom... Minha fé não tem esse tamanho, não consigo nem mesmo mover a minha cama na hora de varrer embaixo dela, tenho que me abaixar mesmo - e aí a coluna grita...

Mas isso é o de mínimo: já faz tempo que venho aprendendo a viver com as limitações que a passagem do tempo vem agregando ao meu corpo - o difícil mesmo é conviver com as pessoas.

Tem um outro ditado que já ouvi por aí: "O inferno são os outros". Acho bem verdadeiro, vocês não? Quer dizer, o que pode ser pior do que conviver com pessoas que te fazem sofrer, ser obrigado a esse convívio por laços de sangue ou convenções sociais? Prá maioria das dores existe analgésico, não prá essas...

Semana passada fiquei sabendo de algo que me transtorna até agora...

Tenho na família essa moça, muito boa mãe, casada há mais ou menos cinco anos, com um filhinho que ainda não completou três. 

Namorou com o marido durante toda a adolescência, parece que foram feitos um para o outro. Sempre me pareceu que se dão super bem - ela é forte, mandona, mas também muito doce e carinhosa. Uma mulher durona, daquelas que eu gosto, que tem as rédeas da própria vida, sabe como é? Já o marido é aquele tipo mais quieto, ela foi a única namorada dele, sempre vi estrelinhas em seus olhos quando olhava prá ela.

Ambos eram católicos desde a infância, se casaram com um padre. Há cerca de dois anos e pouco ele começou a frequentar uma igreja evangélica e se converteu, se batizou. Ela, como o ama e não é preconceituosa (pois tem avó espírita e também frequenta o Bezerra de Menezes com ela...) frequenta sua igreja por respeito e prá lhe fazer companhia. Ele, no entanto, não pisa mais numa igreja católica, ela acaba indo só com o menino...

Semana passada, em meio a uma conversa, ela comentou que havia ensinado o filho a rezar Pai Nosso e Ave Maria antes de dormir e que, ao presenciar o filhinho rezando, houve uma tremenda briga em casa:

-"Já falei que não é prá você ensinar isso pro menino! "Essa" mulher não foi nada, ela não é nada! Não sei que mania "vocês" católicos tem de prestar adoração a "essa" mulher, ela não era virgem coisa nenhuma! Não ensina essa porcaria pro meu filho!!!".

Ela então, tentando manter a calma, disse que "virgem" ou não, Maria era mãe de Jesus e que merecia respeito e consideração. Que ela também não era mais virgem desde que se casara com ele, mas que acreditava que o filho não gostaria que alguém a tratasse mal por causa disso, a considerasse um "nada"...

E foram dormir brigados, um prá cada lado e andavam meio que se estranhando ultimamente...

Triste isso, não é? A religião, que devia ser uma forma da gente se melhorar, se conectar com Nosso Pai, ser um veículo de separação dentro das próprias famílias que se amam...

Será que era sobre isso que Jesus falava quando dizia que "haveria cinco numa casa, dois contra três, três contra dois"? 

Acredito que sim... Acho que Ele já sabia, de antemão, o quanto suas palavras seriam mal interpretadas...

Acho que a grande questão aqui é que a maioria das pessoas mede Deus por si mesmos

Amam pequeno, perdoam pequeno, não operam nem o básico da vida - que dirá fazerem milagres - e acham que Deus é assim também. Quer dizer: eles não conseguem fazer uma virgem dar à luz, então Deus também não consegue.

Por acaso a gente consegue estar em toda parte, o tempo todo, ao mesmo tempo? Deus consegue, Ele é ONIPRESENTE

Sabemos tudo de tudo o que há prá saber, desde todas as ciências até o que vai dentro de cada coração? Deus sim, ele é ONISCIENTE

Sempre existimos ou tivemos um nascimento e um dia vamos estar mortos? Deus, no entanto, é ETERNO...

Deus tudo sabe, tudo vê, tudo pode. Jesus dizia que Deus podia "fazer das pedras filhos de Abraão" - acho que fazer uma virgem dar à luz é ainda mais fácil que isso, não é mesmo?

Respeito é bom e todo mundo gosta - é quase um ditado, se não o é... Que tal então respeitar as crenças alheias?

Minha Lolinha diz algo muito sábio: "Todo mundo é ateu prás crenças dos outros..."

- "Ah, que idiotas essas pessoas! Acreditam que um elefante todo enfeitado é um Deus e fazem oferenda de comida prá ele! Que ignorantes esses hinduístas!" - diz um...

- "Nossa, esses caras acreditam que Deus é esse cara gordo, sentado com as pernas cruzadas, sorrindo quiném um mané... Não entendo esses budistas!!! - diz outro...

- "Esses cristãos... Só eles prá acreditarem que o cara morreu, ressuscitou três dias depois e ainda subiu voando pro céu!..."

Outro dia um menino foi impedido de entrar na escola porque estava usando uns colarzinhos de candomblé e a maioria da escola era evangélica. A mãe do menino foi até lá resolver o problema, mas acabou que ele teve que se transferir de escola...

Se nessa escola se ensinasse tolerância religiosa, ele e a mãe não teriam passado por esse constrangimento...

Jesus andava entre os pobres, as prostitutas e ladrões - ou alguém acha que ele andava entre os maiorais das religiões da época, os cheios de virtudes? E por acaso alguém já leu nos evangelhos sobre Jesus violentando a religião de quem quer que fosse, obrigando qualquer um a crer como Ele?...

A única hora em que Ele foi violento foi quando expulsou os vendilhões do templo, que transformavam a Casa de seu Pai em um covil de ladrões - fora isso, Ele era manso e pacífico, ensinava a fazer as pazes enquanto se seguia o caminho da vida, a perdoar setenta vezes sete e a dar a outra face...

Eu não sou católica, não estou aqui fazendo apologia ao culto da virgem Maria (até rimou) mas, na minha fé, na forma como acredito, Deus tem poder prá fazer uma mulher dar à luz a uma dúzia de filhos e continuar sendo virgem, se Ele quiser - Ele é Deus, afinal de contas...

Além do mais acho muito pobre ficar discutindo a virgindade de alguém: isso era da conta dela, acima de tudo. Principalmente porque, virgem ou não, ela devia ser plena de qualidades prá ser escolhida por Deus prá trazer Jesus ao mundo, não é mesmo? Não era, em absoluto, uma mulher qualquer ou simplesmente uma "incubadora"...

No que diz respeito à forma como devemos pensar em Maria, sempre me vem em mente duas passagens dos Evangelhos: o primeiro milagre de Jesus, transformando água em vinho num casamento, a pedido dela... E antes de morrer em agonia, seu último pensamento e preocupação foi para com ela: ali, pregado na cruz, Ele olhou prá sua mãe, olhou prá um de seus amigos e disse: "Mãe, eis aqui o teu filho. Filho, eis aqui a tua mãe", pedindo a João Evangelista que cuidasse de sua mãezinha quando Ele se fosse.

Será que passa pelas cabeças das pessoas que discutem tanto a virgindade da mãe do Cristo como ELE se sente ao ver sua mãe sendo alvo de tantas críticas e tanto desrespeito?

Não conheço ninguém que goste ou permita que se fale mal de sua mãe - acho que até dentro de uma cadeia, em meio aos detentos, esse tipo de coisa daria briga...

"Se você me ama e acredita em mim, por favor, respeite minha mãe"- acho que é isso o que Ele diria...
 
Eu digo uma coisa: senti vontade de ir até a casa do rapaz e dizer tudo isso - e até o faria, se achasse que seria ouvida. Mas algumas pessoas tem a cabeça "bitolada", impermeável a ideias que não sejam as que já povoam seus limitados pensamentos. Limitado - essa é a palavra: cabe pouca coisa lá dentro, aprendem limitado, amam limitado, perdoam limitado. Tudo limitado.., 

É isso que tem me entristecido ultimamente. Que não tem deixado a noite ser minha conselheira - pois a tristeza que se deita comigo à noite, amanhece comigo pela manhã...

Daí, todo dia - quando vou abrir o portão da garagem pro Marildo pela manhã - escuto o mesmo sabiá cantando em cima do poste de luz da minha calçada - cantando prá mim, tenho certeza. É ele, na foto do início da postagem, soberbo acima do monte de fios de luz, que canta no pé de manga e na ameixeira desde antes de nascer o sol - e lá no poste, sempre à mesma hora... 

Não conseguiu ver? Eu aproximo a foto:



Pois é... Já contei e ele chega a mudar a cantoria até 14 vezes num só fôlego! 

Quem o ensinou a cantar tão lindo? - eu me pergunto? 

Por quê ele canta, se não é bicho de estimação de ninguém, de ninguém recebe atenção e carinho, uma casinha coberta e um pote de ração? Ainda esta semana teve um temporal danado, uma ventania violenta, de dar até medo e ele lá, solto na cidade de pedra - como será que ele se arranjou?

"Olhai as aves do céu, que não semeiam nem colhem e, no entanto, o Pai que está nos céus as alimenta...

"E quanto mais valeis do que pássaros, homens de pouca fé!"

Ele é lindo, abençoado e eu o amo. Amo porque ele me ajuda a lembrar que Deus tá tomando conta, que tudo vai dar certo no final...

Amo porque, quando ele alça voo, depois de me dar "Bom dia" lá de cima do poste, parece carregar embora em suas asas um pouco do peso que estava em minha alma - completando o trabalho da "noite conselheira"... Ajuda a minha pouca fé...

Vai cantar em outras árvores, em outros postes, levando a cantoria que seu Criador colocou nos seus genes prá ajudá-lo a conquistar uma fêmea e assim propagar sua espécie - diriam os cientistas... 

Ou prá despertar aquele grãozinho de mostarda adormecido dentro de cada um de nós - quem sabe...

  ***

Afinal de contas, o Inferno não são os outros: o Inferno é nossa falta de fé, de amor, de paciência prá com os defeitos e falhas alheios. 

Quando será que deixaremos de ser tão tolos a ponto de deixar o Inferno existir dentro de nós? 

12 comentários:

  1. Querida amiga, que lindo seu texto, sua linha de pensamento. Em muitos anos de cursos de Teologia, aprendi uma coisa, o não fundamentalismo. Isto quer dizer que não devemos dar a nossa interpretação "ao pé da letra" dos textos bíblicos. A virgindade de Maria não tem nada a ver com a parte física, mas sim de sua aquiescência para com o Senhor, do seu "sim", aceitando ser a mãe de Jesus Cristo. Ela foi uma mulher forte, porque engravidar naquela época, sem ser casada ainda era muito pior do que hoje, pois ela poderia até ser apedrejada. Ela é virgem porque sempre aceitou a vontade do Senhor e nunca desvirtuou-se de seu caminho. Simples assim! Mas há quem não entenda desta forma e como você disse, entende as Palavras do Senhor de sua própria forma, sem ver o que realmente significa. É triste saber de um casal que se desentende por causa de religião. E a religião existe, como o próprio nome diz, para "religar" o homem ao Senhor, seu Criador. Só espero que a criança não sofra com estas diferenças entre os pais. E quanto ao sabiá, eu também os amo de todo coração! Fico triste no inverno por não ouvir o seu canto, mas quando chega o mês de agosto eles se tornam presente novamente para nossa alegria. E a conclusão é: o Senhor é perfeito! Grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi,Linda Rosa!
    Parabéns pelo seu lindo texto!
    Pois é...as religiões surgiram para "religar"(como disse a Lígia) o homem
    ao seu Criador!.Porém não é isto que temos visto!Além de tudo que você disse no texto falta também o respeito a escolha de cada um,não acha?Fico triste quando sei de casais que se desentendem pela falta de respeito e Fé!
    Quanto ao sabiá...ahhh são lindos...tem um casal que canta e chama a companheira para beber água na minha piscina.....lindos ...coisas do Criador mesmo! Beijos doces,querida!
    Cristina Peres RJ

    ResponderExcluir
  3. Nossa Rosa, amei seu post! Concordo com tudo, principalmente na parte em que você diz que as pessoas medem Deus por elas mesmas…
    Muito triste o que as pessoas fazem em nome da religião, o fanatismo é uma doença.
    No meu consultório tenho um pequeno jardim de inverno e todos os dias coloco um pote de água para os passarinhos tomarem banho, mas só vem um sabiá, todos os dias de manhã na mesma hora, e depois ele volta à tarde e senta em um dos vasinhos e fica cantando um tempão. Eu digo aos pacientes que ele vem agradecer pelo banho que tomou de manhã. Isso me emociona, porque ele não precisaria voltar ali até o próximo banho, mas ele vem todos os dias à tarde só para cantar…
    E depois dizem que os animais não tem alma…
    Fico muito feliz por ver que existem pessoas como você, que têm um olhar de amor para as coisas.
    Bjs querida

    ResponderExcluir
  4. Olá, Rosa!!!
    Ah!!! Que texto lindo. Faço minha as suas palavras.
    Cada pessoa tem o seu tempo certo para aprender e amadurecer, infelizmente, para alguns esse tempo parece muito, muito distante.
    Creio que todos deviam respeitar e cumprir a seguinte máxima : " Faça a outrem apenas aquilo, que gostaria que fizessem com você."
    Quando alguém critica minha religião [ sou espiríta], eu pergunto a pessoa, se a dela possui algum projeto social humanitário, como a maioria não tem, então, né? Respondo a minha tem, viro as costas e vou embora.
    Porque vou discutar filosofia religião, com alguém que ainda nem compreendeu ou colocou em prática a Lei de amor e caridade, que Jesus Nazareno nos ensinou.
    Beijokas, Rê!!!

    ResponderExcluir
  5. Que desabafo heim! Realmente é triste ver um casal brigando por algo que deveria uni-los. Pra mim o problema da religião é o homem. Acredito que, infelizmente, nem todos que ficam à frente de uma igreja têm a palavra de Deus saindo de suas bocas.
    Bjs
    Mara

    ResponderExcluir
  6. Rosa...grata pelas palavras de consolo e esperança!
    Não discuto religião...pois respeito todas e fico agradecida ao respeitarem a minha FÉ!!!
    Tenho um melro...que meu pai ensinou a encher a natureza de sons maravilhosos!
    Bj amigo

    ResponderExcluir
  7. A noite para mim é excelente conselheira...pois durmo sem interrupção 8 horas...se me deixarem...e nem sonhos...nem pesadelos me afetam!

    ResponderExcluir
  8. Olá Rosa querida! Não preciso comentar, você disse tudo que eu diria e um pouco mais! Quando queremos fechar nossos olhos e ouvidos, fechamos também nossos corações e nossa razão !
    Não gosto de falar em religião, política, porque na minha família há radicais que se exaltam e isso me cansa muito! A liberdade de pensar e crer, é direito de qualquer pessoa, então deixo que pensem o que quiserem e falem o que quiserem, pois não alongo o assunto de jeito nenhum!
    bjs Nina

    ResponderExcluir
  9. Oi Rosa, eu assisti ao vídeo que você sugeriu, do cachorrinho ensinando a menininha a engatinhar….ai que coisa linda…é de morrer de fofura!
    Bjs e ótima semana

    ResponderExcluir
  10. "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem"
    Lindo e sábio texto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Puxa, Rosa, rosinha, que triste esse casal estar assim em pé de briga por conta da educação religiosa do filho.

    E o pior é que a criança deve estar muito confusa.

    Espero que eles encontrem um ponto de equilíbrio, paz e sabedoria.

    Sinceramente eu nunca me preocupo com as religiões e com suas doutrinas esquisitas.

    Sigo apenas meu coração e os valores que aprendi com meus avós e pais.

    Seu amiguinho de asas é um encanto...certamente ele sabe que você é uma pessoa especial então ele canta para te alegrar...

    Fiquei um pouquinho ausente, pois andei caída...hehehe...(lembrei de um anjo com asas quebradas)...kkkkk... com gripe e muito indisposta...afff...ninguém merece!! Agora já estou bem.

    Uma ótima semana,

    beijinhos,

    Lígia e =^.^=

    ResponderExcluir
  12. Rosa

    Em se tratando de religião ou crença diferente da minha, eu não debato...respeito.

    Sobre brigas de casal, é preciso ter mais cuidado ainda. Fico na torcida para que eles se entendam em nome do amor que os uniu. Eles tem que dar prioridade agora é para a criança que estão criando.

    Bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...