Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Bolo de Aniversário

Modesto, mas não fala mal que ele fica triste - e é delicioso demais prá isso...
Falar a verdade: um dia eu vou ser rica e, quando os filhos fizerem aniversário vou contratar um buffet, espatifar o traseiro numa cadeira e comer a beça, tudo pronto, sem preparar nem lavar a louça depois. 

Mas, enquanto isso não acontece, faço tudo eu mesma - e sempre me estresso. Quero que todo mundo goste, fico olhando de olhinho espichado, comprido, espiando cada mordida, faminta de elogio...

Todo aniversário é a mesma coisa: o mesmo bolo de sempre (já tentei fazer de outro tipo, mas todo mundo reclama: aniversário tem que ter "Bolo de Aniversário"), os mesmos risoles com massa de batata, as empadas de palmito, os pastéis de massa fresca de pinga... Sempre no dia exato do aniversário, mesmo se cair no meio da semana.

Desta vez o aniversário da Lola caiu na sexta feira santa - e não saiu como eu gosto. Prá começar os apetrechos não são os mesmos de casa, então "muda a cor da grama, esqueço como se pasta" - bem assim mesmo. Os risoles ficaram deliciosos, mas não "fotografáveis", então fico devendo a receita prá outra hora. As empadas - esqueci a gordura hidrogenada, então fiquei devendo prá Lola. Pastéis? Não tinha pinga!!! E o bolo? Ficou com menos camadas, que não tinha bandeja, então tive que fazer menor prá caber numa travessa plástica. Ou seja: quando tem tudo prá dar errado... Mas eu não ia decepcionar minha lindeza - como sempre, fiz o meu melhor. Apesar de não estar  muito "fotografável", estava uma delícia - modéstia à parte - como sempre. 

A receita (além de super econômica) é muito fácil.

O BOLO

São 3 bolos, assados um de cada vez na mesma assadeira, aquela grande e retangular. Não são bolos altos, mas são muito fofos.:

20 colheres (sopa) de açúcar refinado, 20 colheres (sopa) de óleo vegetal (milho ou girassol), 2 ovos. Mexe numa tigela, com a colher mesmo. Vai acrescentando, uma a uma, 20 colheres (sopa) bem cheias de farinha de trigo, alternando com goles de 1 xícara (chá) de água. Por último, acrescenta uma colher (sopa) de fermento em pó, coloca na assadeira (untada com bastante manteiga ou margarina e polvilhada com farinha), leva prá assar no forno médio pré aquecido por uns 20 minutos (espeta o palito e, se sair sequinho, tá pronto). 
Na hora de virar, às vezes acontece: tá tão fofo, que dá uma quebrada - mas tá em casa...

OS RECHEIOS

Como são 3 bolos, um em cima do outro, são então dois recheios. 

Primeiro: cozinhe 400 g de ameixas pretas desidratadas sem caroço, com água até cobrí-las, adoçando com 4 ou 5 colheres (sopa) de açúcar. Não precisa ficar muito doce. Cozinhou - sem secar o caldo - molha o primeiro bolo com a calda e espalha as ameixas. O bolo deve ficar molhadinho, mas não encharcado. 


Por cima coloque colheradas do melhor doce de leite do mundo: 2 latas de leite condensado cozidas na panela de pressão por 45 minutos. Ah, esse bolo fica um absurdo de tão bom...

Coloca o outro bolo por cima e prepara o segundo recheio: pica os pêssegos em calda de uma lata das grandes e põe sobre esse segundo bolo, depois de molhá-lo com um copo de guaraná (antártica ou taí). Por cima dos pêssegos espalha um creme que se faz assim: Uma lata de leite condensado, 3 gemas, 1/2 litro de leite comum, 3 colheres de amido de milho, 1 colher (chá) de baunilha, 1 colher (sopa) de margarina. Mexe até ferver, mexe mais 3 minutos prá sumir o gosto do amido e espalha no bolo. Coloca o outro bolo em cima.

Dá uma molhada nesse último bolo com um copo de guaraná e parte prá cobertura.

COBERTURA

Aqui você tem duas opções: chantilly (o favorito do universo, mas que não dá prá confeitar) ou creme de pudim de coco (que você pode usar aqueles bicos de pitanga, fica lindo...).

Chantilly não tem segredo: creme de leite fresco gelado, batido na batedeira com açúcar e baunilha, cobre o bolo e joga por cima uns enfeitinhos - açúcar cristal, granulado, chocolate raspado, etc.

Creme de pudim de coco: 2 pacotinhos de pudim de coco, peneirados prá tirar o coco (que entope o bico de confeitar), uma embalagem de margarina ou manteiga sem sal, 1/2 litro de leite, 3 colheres (sopa) de amido de milho, 3 colheres (sopa) de açúcar. Depois de peneirar o pó de pudim bata no liquidificador todos os ingredientes (menos a manteiga, que deve ficar na geladeira). Leve ao fogo brando, mexa até cozinhar, mais 3 minutos prá sumir o gosto do amido cru, desligue, ponha numa travessa de vidro e, depois que ficou em temperatura ambiente leve à geladeira, coberto com PVC. Quando tiver gelado o pudim pegue uma colher e tire toda a película que se formou por cima, que é brilhante: se não tirar, essa pelinha entope o bico de confeitar. Daí pega pedaços desse pudim (que ficou super duro - porque levou só 1/2 litro de leite e ainda mais amido do que já tinha...) e esprema-os num espremedor de batatas ou passe-os por uma peneira grande, direto prá tigela da batedeira. Daí é só bater a margarina ou  a manteiga junto, acrescentando baunilha ou qualquer essência do seu agrado, pode colorir com anilina ou chocolate do padre, se quiser. Passe com uma espátula sobre o bolo - uma camada fina- e depois enfeite com os bicos de confeitar.

O meu foi chantilly, coberto com açúcar cristal verde e confeitos coloridos, simulando um campo verde com florzinhas e umas joaninhas comestíveis, feitas de açúcar, compradas prontas. 


Cada pedaço é uma delícia, todo mundo que come pensa que dá trabalho - mas, como vocês viram, é moleza. 

Da vez passada o da Nana ficou assim:

A Lolinha e o Ike que enfeitaram prá mim, usando coco ralado e confeitos coloridos - e escreveram o nome (melhor dizendo, o apelido) dela... Simples toda vida, despretensioso, não dá prá sair em capa de revista, mas é "bolo de mãe", fica prá sempre na memória gustativa deles - parte do meu plano maligno de jamais ser esquecida. 

Complementando, o presente: um por do sol, pleno de paz e sossego, todo mundo junto - e uma camisa, também feita pela mamãe (que depois eu mostro...).

Mas continuo dizendo: um dia vou ser rica, vou contratar o buffet e vou comer até explodir sem ter um tiquinho de trabalho - a menos que continuem pedindo o mesmo bolo de sempre...


18 comentários:

  1. Ó D. Rosa,
    Assim você me mata com tanta doçura!
    Este bolo só pode ser uma maravilha, com tanta coisa gostosa que leva.
    É impossível alguém conseguir esquecer uma mãe assim, tão doce e carinhosa com os seus filhotes :)
    Posso ser sua filha também? :))
    Eu sei que já tenho uma mãezinha galinha e bem dotada para a cozinha como você, mas mãe nunca é demais, não é? :))
    Adorei o seu texto, como sempre, alegre e bem disposto.
    "muda a cor da grama, esqueço como se pasta" – ah,ah,ah, adorei a expressão (não conhecia) :)
    É já agora, desculpa a ignorância, mas o que é pinga? Ou o que são pastéis de massa fresca de pinga?
    Beijinhos carinhosos do outro lado do Atlântico,
    Marta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meus filhos amam panqueca de paixão - doces ou salgadas, de chocolate - quando dá vontade de comer doce...
      Agora: pinga é uma bebida alcoólica chamada cachaça, aguardente de cana de açúcar. Com ela, um pouco de água, óleo vegetal e farinha eu faço massa de pastel - fica crocante e cheia de bolhas, e o álcool da pinga desaparece quando frita o pastel em óleo quente, restando apenas um gostinho especial. Uma hora dessas eu ensino no blog, só não sei se vai fazer muito sucesso, pois é fritura e hoje em dia todo mundo parece ter ódio da pobrezinha... Beijos!

      Excluir
  2. Oi amiga, lembrei do tempo em que as minhas crianças eram pequenas e eu mesma preparava tuuudo na festa.
    Era bem cansativo,e quer saber,era muito bom, tudo simples e eu ali adorando cada elogio,rs.
    Parabéns pelo talento e amor pela sua família.
    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que os meus nunca vão me deixar parar de fazer tudo - dizem que não é aniversário se não tiver... Nossos filhos são sortudos, não são? e nós mais ainda: vamos sempre ter a melhor das ocupações...

      Excluir
  3. Olá Rosa! Vc também tem uma Abrilina! Eu tenho 2, um do dia 1º e outro do dia 9 de abril. Dois arianos! deus me ajude!. Um fez 26 outro vai pra 22, mas o bolo de chocolate recheado com doce de leite também é o mesmo desde que eram pequenos. é assim mesmo, o que q gente faz com amor é sempre mais gostoso do que aquele lindão comprado pronto.
    Parabéns pra sua filha! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim mesmo! Bolo de mãe não tem igual... Parabéns pros seus filhinhos também - sempre vão ser os bebês da mãe, não é? Beijos!

      Excluir
    2. Rosinha, rica já tu és, ainda que não seja de dinheiro. És rica de coisas que o dinheiro nao compra.
      Eu vou roubar essa receita e vou reproduzie e me exibir.
      Parabéns à tua menina linda.
      Vou dar uma olhada no mail.
      Beijos, beijos, beijos!

      Excluir
    3. Obrigada, Nina querida! Beijos.

      Excluir
  4. Se você soubesse como eu amo bolo de aniversário...preciso urgente tentar, digo, tentar fazer um desse prá mim. É só acabar o tanto de chocolate que tem aqui em casa, que eu me arrisco.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai gostar - e depois tem que me dizzer... Beijos!

      Excluir
  5. Rosa, com um bolo desses, quem vai querer bolo de buffet?
    E ainda com amor de mãe...é tudo de bom!
    Parabéns pelo empenho e capricho!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cris, não ficou lá muito lindo, mas ficou com cara de mãe mesmo - feito com todo o amor do mundo. Beijos!

      Excluir
  6. Nossa, eu queria muito um pedaci... digo, um pedação deste bolo. Parece apetitoso. Estou salivando aqui!! Hmmmm...
    Eu nunca fiz bolo recheado, acredita? rs
    Bjns
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, tá na hora! Como você viu, é mais fácil do que se pensa - e o leite condensado quebra um galhão na hora do recheio. Beijos!

      Excluir
  7. Rosa, seus filhos são mesmo sortudos por ter uma mãe tão doce assim. Eles sempre vão se orgulhar, lembrar e comentar com filhos e netos e bisnetos que houve uma mãe - sim, aquilo que era mãe!
    Ontem, 08 de abril, a minha filha mais velha completou 19 anos e foi o primeiro aniversário que não pude fazer um bolo, acredita? em todo aniversário eu mesma faço o bolo (e sempre o mesmo bolo) de morangos com chantily e doce de leite condensado cozido na pressão - realmente o doce de leite mais gostoso, concordo.
    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que você não pode fazer o bolo, mas acredite que a gente sofre com isso muito mais do que eles. E quanto a mães boas, você pode falar de boca cheia, não é, minha linda? Beijos e obrigada pela visita.

      Excluir
  8. Entrei através do blog da Claudia e adorei, achei tudo lindo, otimas dicas.Como é bom dividir as coisas e colocar a mão na massa. Vou tentas fazer o bolo e depois te conto como ficou. É muito bom fuçar na net e encontrar casas que nem a sua. Um grande beijo e uma otima noite de terça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Silvia! Espero que continue vindo sempre. Beijão.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...