Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Salmão "du bão"

Não sei que nome dar - afinal, esse peixe é "o peixe", na minha opinião: BÃO DEMAIS. Só assado, só grelhado, no sal, já fica delicioso... Mas tem que ter um molhinho, nem que seja prá dar aquela "requipimpada" no arroz - como dizia minha sogra (que Deus a tenha...). Vou ensinar vocês a fazer, mas não reparem - é caseirinho - comida de mãe.

"Vamulá"... - O PEIXE. Comprei fresco, um filé de pouco mais de meio quilo, ao custo de 12 reais. Limpinho, rosado e de cheiro suave. Lavei, cortei ao meio e deitei na frigideira antiaderente com um pouco de óleo de girassol, no fogo baixo. A PANELA: anti-aderente da boa, pesadona, que é pro peixe ir grelhando devagar, sem queimar. Prá quê óleo se não adere a comida? Pro sabor, colega! Fica mais gostoso, mas se você é light, dispensa.  "Mas não precisa temperar o peixe de antemão,com limão, sal, etc, Dona Rosa?"  Sei lá, deve ficar - eu sempre faço direto... O SAL: não é qualquer sal - é o sal temperado de alho que eu faço... Passo o alho no processador, soco com sal no pilão e uso prá tudo: 1 cabeça de alho por quilo de sal marinho. Vale a pena porque fica tudo com um leve sabor de alho e eu não preciso ficar sempre com as mãos cheirando... 

Tá, onde é que eu tava? Ah, é... Tempero o filé (que agora são dois) com o meu sal de alho, um pouco de limão ou vinagre branco, aji-no-moto (uma pitada) e tampo a panela. 

Primeiro ele vai dar uma cozinhada - peixe tem muita água - depois ele começa a grelhar mesmo. Com uma espátula eu vou virando, acompanhando até que ele esteja da cor que eu gosto: dourado sem queimar e com a pelinha bem pururuca, assim, ó:


Quando fica com a cara que eu quero, eu tiro com a espátula, reservo, e parto pro MOLHO na mesma panela (que agora tem mais óleo do que antes, porque soltou gordurinha do peixe). 

Frito cebola - que você pode por fatiada, cortada em cubinhos, passada no processador, a seu gosto - e BEM fritinha (que o sabor fica melhor). Aqui vai (de novo!) a dica da cebola desidratada: fica muitas vezes melhor, mas tem que ter cuidado pra usar, porque frita super depressa. A cebola estando fritinha (coloquei junto minha amada pimenta calabresa desidratada em flocos) já é a base do seu molho: se quiser, acrescenta agora creme de leite, salga e apimenta a seu gosto e manda bala. Mas, se você é como eu, gosta de dar uma cor, de um gostinho a mais, pense em ALCAPARRAS - aquelas florzinhas salgadas que você compra em vidro, na mesma prateleira das azeitonas. Terminou de fritar a cebola, joga tomate picado e alcaparras, deixa refogando até o tomate murchar e incorporar. CUIDADO na hora de salgar, porque essas florzinhas são BEEEM salgadas: por isso que você refoga elas com o tomate e a cebola primeiro - assim elas largam sal, você prova e vê quanto falta. Nessa hora é que você joga o creme de leite (ou iogurte natural - também fica bom) e termina de salgar. 

Agora é só fazer um arrozinho básico (o meu foi integral), uma salada de alface e tá tudo bem.

"Mas o seu molhinho tá meio diferente, dona Rosa... Tem tomatinho cereja e cebolinha?"

Tem. Olha só:

É que eu tava sem alcaparras e queria fazer o salmão, então usei o que tinha - e essa é a magia da cozinha: se virar com o que tem, usar a imaginação, experimentar. Meu molho, depois de fritar a cebola e antes de jogar o creme de leite, recebeu uns tomatinhos cereja cortados ao meio - lindos, vermelhinhos, adocicados. Mas foi só prá saltear eles, nada de fritar - eu gosto que eles mantenham o jeitinho e a leve crocância de crus... Prá enfeitar, cebolinha verde picadinha, que também dá um gostinho.

É, eu sei, eu sei... Mas dividir é ainda melhor.

Gostaram? Então vão fazer! É um peixe que custa um pouco mais caro, mas tem as seguintes vantagens: é delicioso, facílimo de preparar e é MUITO chique. O pratinho lá em cima é o meu (me reservo sempre o filé menor; guardo o melhor pedaço pra Sua Majestade - minto prá ele que não gosto tanto, só prá me deliciar com uma coisa ainda melhor: a cara de felicidade dele, comendo com prazer. Todo sacrifício por amor vale a pena - mesmo os bobinhos, como este...). 

BOM APETITE!

8 comentários:

  1. Amei tudo e principalmente o final: pedaço maior para Sua Majestade para ver a cara de felicidade dele. Isso não é para qq um e é lindo ver uma declaração de amor dessas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom querida Rê. Me deixa mesmo muito feliz quando ele come cantarolando baixinho, beliscando um pedacinho de cada coisa, parecendo criança... A felicidade está nas pequenas coisas. Beijão e obrigada.

      Excluir
  2. Rosa, o peixinho é bom, a sua receita uma delicia, mas sua prosa, ah! Sua prosa é gourmet!
    Abençoada!
    Adoro os teus escritos!
    Beijo da Nina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida Nina! Acho que eu sou um pouco tagarela... Beijos!

      Excluir
  3. Ai ai tia Rosa vc é d+ (e não, eu não canso de dizer isto rs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu não me canso de ficar feliz com seus comentários! Beijos, querida Clícia!

      Excluir
  4. Fiquei morrendo de vontade de fazer,kkkkk...
    Como a amiga de cima falou, sua prosas são demais!
    Sua declaração a Sua majestade, também faço isso,kkkkk...
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim que tem que ser: quem ama, cuida. Obrigada pelos elogios e pelo carinho, querida Míriam. Beijos!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...