Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Blusa de Enfeite


Quem é que não gosta de um enfeitezinho? A gente é especialista em usar um brinco diferente, um broche, um colar... A maioria das vezes  a gente usa cachecol mais prá compor o visual do que prá agasalhar o pescoço, não é mesmo? Gostamos de combinar cores, dar um brilho...

Pois então: agora, no verão (ou mesmo no inverno, com uma cacharrel por baixo...) essa blusinha é um achado: você varia a cor da regata por baixo e o visual muda!

Ela é facílima de fazer (se você ler a receita, vai ver que eu tô falando a verdade...), custa pouquinho e é uma ótima ideia prá presentear no Natal: na receita eu coloquei 3 novelos, mas o terceiro eu só usei na barra (então, se você fizer um pouco mais curta (no pescoço ou no comprimento) vai gastar somente 2.

Quando você tá fazendo a blusa, ela fica um tubo desmilinguido - nem parece uma blusa mesmo. Espia só:


Mas, não se assuste: é assim mesmo. Não tem quase aumento nenhum, mas fica essa gola bonita, caída, cheia de charme... E é rápida de fazer: fiz a minha em um dia!

O fio que eu usei foi o Samba, da Aslan Trends - nem adianta tentar comprar, acho que pararam de fabricar. Mas, às vezes, você tem sorte de achar na lojinha perto da sua casa... No rótulo indica prá usar agulha 3 1/2, mas usei agulha 5, prá ficar bem rendada.

Se você quiser uns fios com precinho bom (cada novelo 3 reais - você faz a blusa com menos de 10 merrécas!!!), separei umas ofertas do Bazar Horizonte prá vocês:

- Linha Bambu da Círculo - pena que só tem na cor laranja (mais pode ornar com seu tom de pele, sei lá...);

- Linha Jolie, também da Círculo - linda toda vida, cheia de delicadas lantejolinhas, mas só tem verde bandeira...

- Linha Orquídea, da Círculo também - só tem amarelo (adoro, mas não combina comigo...);

-Linha Torino, da Linea Itália, num tom mesclado de cru e verde - lindo demais, não sei porque tá encalhado... 

Mas ainda tem duas outras no site da Aslan que tão num precinho bom: Salsa (laranja) a 1 real o novelo (já pensou? Fazer uma blusinha com apenas 3 reais???) e a lindíssima Mambo, a 5 reais o novelo (um montão de cores e a linha é lindíssima - uma blusa maravilhosa com 15 reais!!!).

Todas elas são saldão (é só clicar na linha que você vai pro site das lojas), mas quem tem "olhos de ver" enxerga sua beleza e seu verdadeiro valor: dá prá fazer coisas lindas com aquilo tudo. Ah, antes que alguém se pergunte, todas as dicas de compras que eu dou não sou paga prá dar: não sou conhecida deles, não ganho nenhum brinde, não tenho nem mesmo desconto - quem me dera!

Se eu não estivesse "sob vigilância cerrada" dos "meus carcereiros", já teria comprado todas essas linhas, prá projetos futuros... 

Ai, Ai... O tempo é tão pouco, tenho tantas ideias! Queria não precisar dormir...

Agora, escuta meu grito: COMPRA! COMPRA! COMPRA! Tá barato, você vai se arrepender depois que os outros comprarem e você ficar de mãos vazias e desocupadas!

Ó, fiz receitinha de mãe (clica nela prá ler melhor...):


Dica extra: que tal fazer um pouco mais comprida e usar como saída de praia, hein?

Remendo de postagem: a blusa é manequim 42. Caso se queira fazer maior, é só aumentar o número de "gomos" ou segmentos, da seguinte forma: a blusa toda é feita com, cada carreira, contendo 22 segmentos. Numa carreira alternam-se leques e arcos de correntinhas, na outra somente arcos de correntinhas. Aumentar 2 segmentos (ficando 24) para o próximo manequim (44), ficando 4 segmentos para cada manga, 8 para a frente e 8 para as costas. No manequim 46 aumentam-se 4 segmentos, ficando 5 para cada manga, 8 prá frente, 8 pras costas (total de 26 segmentos).
  Bons crochétis!!!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Olhando só para ele

Conta-se que Ciro, rei da Pérsia, durante uma de suas campanhas, venceu e aprisionou um príncipe da Líbia.

O príncipe foi levado ao rei vencedor, juntamente com sua esposa e filhos.

Após examiná-los bem, Ciro disse ao príncipe:

- Que me dás se te conceder a liberdade?

- A metade do meu reino - foi a resposta.

- E se der liberdade, também, a teus filhos?

- Entrego-te, nesse caso, a outra metade do meu reino. 

- Que me darias, então, pela liberdade de tua esposa? perguntou o rei persa.

O príncipe percebeu, então, que havia agido precipitadamente: ao oferecer tudo o que tinha, havia esquecido de sua companheira... 

Depois de meditar por um momento, declarou com firmeza:

- Entrego-me a mim mesmo pela liberdade de minha esposa.

O grande rei ficou tão surpreso ao ouvir esta resposta, que concedeu a toda a família sua liberdade - sem exigir resgate, nem fiança.

Ao regressar ao lar, impressionado estava o príncipe pela generosidade e grandeza do conquistador. Perguntou então, à sua esposa, se ela havia reparado como era serena e altiva a fisionomia do soberano persa.

A delicada esposa respondeu:

- Não olhei absolutamente para nada, pois tinha meus olhos fixos naquele que estava disposto a dar-se a si mesmo pela minha liberdade.

Como seríamos felizes se esta fosse a confissão de nossos corações no que se refere ao Cristo: Aquele que ofereceu mais que sua liberdade por nós - ofereceu sua própria vida! Se mantivermos nossos olhos fixos nele, não teremos ocasião de olhar para os defeitos e falhas de nossos irmãos, de invejar, cobiçar ou julgar o que não é do nosso interesse.


(conto extraído do livro "Lendas do Céu e da Terra", de Malba Tahan - adaptação minha)

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Camiseta "colada"

Colada?

Calma, calma... Vamos por partes...

Primeiro: tem um pouco de costura nela: a ajustada que eu fiz na lateral, pois ela era assim:
(Amassadinha, né?)

Mas a costura do decote, a nova costura da barra da manga e também da própria barra da camiseta foi feita com... Cola-Pano!

"Mas, como?! Dona Rosa? Isso é possível? Fazer bainha sem agulha e linha, sem máquina de costura?!"

Pois não é que é? 

Bom, eu uso vários tipos de cola prá tecido no meu dia a dia (e, como uma linda Garota Selvagem - aliás, passem no blog dela, tá cheinho de coisa boa, moldes, dicas...- me pediu, vou explicar quais são elas e seus porquês...):

Cola em pó Barra-fix; é o mesmo pó que vem aderido nas entretelas colantes de fazer gola, só que soltinho. Foi o primeiro que eu conheci e usava prá fazer bainha de jeans e reparos em roupas. A gente aplica numa das partes do tecido que quer colar, dobra a outra parte do tecido por cima e passa o ferro quente, deixando por alguns segundos. É dificílimo de achar e só funciona em tecido natural (algodão, linho...). Tecido sintético fica uma meléca: o pó derrete, mas não gruda no tecido, só mancha. Não é a melhor de todas as colas: é meio ruim de aplicar o pó, ele tem perigo de voar até com sua respiração... O pó que escapa gruda no ferro.

Cola-Pano: também só em tecido natural (foi a que eu usei nesta camiseta e naquela que eu fiz furinhos nas mangas). É boa porque tem bico aplicador, vende em três tamanhos, não tem cheiro tóxico, cola prá valer sem precisar ferro quente - até criança pode usar. É ruim porque demora 72 horas prá aderência definitiva - mas aí, pode lavar até na máquina...

Ah, sabe essas calças jeans rasgadas que não saem da moda? Já pensou fazer uma recortando em alguns lugares corações, estrelas e passando cola pano no avesso prá segurar a fibra? Seria um rasgo lindo, que ninguém tem, bem original, né?

Remendo mágico: vende em rolinho medindo 4 cm por 1 metro. Serve prá fazer bainha de calça, remendos (como o próprio nome diz...). Uma vez rasguei um lençol ao tirá-lo do varal (era um varal desses de arame, tinha uma emenda numa das pontas e abriu um rasgo no lençol). Foi só recortar um pedaço de tecido de algodão neutro, um pouco mais largo e um pouco mais comprido que o rasgo, posicionar o lençol esticado do avesso, por cima o remendo mágico e, por último, o tecido de algodão do remendo (ou seja: sanduíche de tecidos de algodão com o remendo mágico de recheio). Passei o ferro alguns segundos e pronto: uso, lavo na máquina e nunca mais me preocupei com o rasgo. Já remendei barra de calça jeans (que tinha rasgado de arrastar um pouco no chão...). Remendei calça social de lã de Sua Majestade, que tinha enganchado num prego - ficou quase imperceptível (ainda mais porque, com cuidado, ajeitei bem as fibras partidas e colei usando também amor e carinho - muito importante...). É ótima prá fazer também pequenas colagens de tecido: Você pode colar tecido só de um dos lados (bolinhas, xadrez) e recortar corações, flores, estrelas e aplicar com o ferro em tênis, roupas...

Bainha instantânea: é igual ao remendo mágico, só que mede 1 cm por 4 metros de comprimento. É a mais prática de todas as colas, pois é mais apropriada para bainhas de roupas, especialmente calças. Também só prá tecidos naturais. Você faz a barra na hora tendo um ferro quente. Também é boa quando você refaz a costura de um jeans novo que você comprou e que é mais comprido do que você: corta toda a barra com 1 cm de distância daquela costura original e bonita que você quer manter. Corta a calça na altura certa prá você, não se esquecendo do comprimento extra da barra que você acabou de "salvar". Costura do avesso e cola prá ficar assentada e não parecer postiça... 

Tenho todos os quatro em casa, uso cada um prá uma finalidade, dependendo do que eu vou fazer e de qual eu acho primeiro - porque estou sempre apressada... 

Se forem fazer as barras invisíveis da camiseta, deem preferência à cola pano: ficou maravilhosa! Gente, ninguém mais pode reclamar de não ter máquina de costura, ponto elástico, overlock - quando se tratar de tecido de algodão! Deixei secar por 3 dias e lavei normal na máquina e não descolou, não desfiou! Ficou maravilhosa!

Agora, tem macete: mesmo tendo aplicador, melhor passar com pincel - assim não corre o risco de encharcar - pode dar uma manchada. Alinhave com agulha e linha primeiro, como eu fiz, bem na pontinha (prá sobrar espaço prá cola):
No começo, pus cola demais... Mas é só espalhar com o dedo ou com pincel...

Viu? Fica assentadinha a barra...

Faça uns 6, 7 cm por vez. Pressione levemente e, depois de fazer tudo, deixe a camiseta estendida em algum lugar por umas duas horas. Parece que secou, mas coloca ela num cabide e deixa descansar 72 horas. Daí pode usar sem medo - tá linda e não vai soltar.


A pintura? Ói só:
Dá prá ver que eu desenhei as estrelas no "olhômetro"? Pois é, fica bom de qualquer jeito que você fizer...

Colei com cola de isopor - que era a que eu tinha - mas é melhor usar cola permanente...

Tá vendo essas ranhuras? São os talhos que vão dar à estrela o ar de rasuradas...

Peguei pedaços de EVA, desenhei e recortei estrelas de diversos tamanhos. Colei com cola de isopor (melhor usar cola permanente...) em tampas de maionese, de garrafa de refri, de remédio. Aí, com o estilete bem afiado, dei talhos nas estrelas, prá deixar elas estragadas, rasuradas. Forrei a camiseta com jornal dobrado, estiquei a frente e fui carimbando com tinta acrílica azul e branca. 

Ficou linda demais - adorei o efeito, parece silk. Pode fazer com tinta de tecido - é que eu só tinha a tinta que eu pintei o cisne AQUI

Então, colegas, tá na hora de tirar aquela camiseta da gaveta e dar vida nova a ela - customizar com cola, um pouco de tinta e MUITA imaginação!



sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Bolinhas de queijo

Receita fácil pro fim de semana: descomplica a vida, todo mundo vai achar que deu trabalho - e, por favor, deixa eles ficarem pensando, assim eles te dão uma trégua! Quem sabe fazendo esse petisco no sábado, no domingo "alguém" se toca e te leva prá comer fora: coisa melhor do mundo, não precisa preparar a comida, só sentar e ser servida e, no final, não é você quem vai lavar a louça. Melhor que isso, só isso todo dia: os romanos é que estavam certos - somente os ricos comiam em suas casas, pois tinham escravos e servos prá preparar as comidas. O povão se virava em lanchonetes... Pura verdade, pode pesquisar. 

Bom, vamos às bolinhas de queijo. 

Primeiro: você nunca entrou numa cozinha e morre de medo do fogão. Calma, colega! Essa bolinha de queijo até criança faz. O segredo tá no queijo - MUUUUITO queijo. 

Mas não é qualquer queijo: é PROVOLONE

Compra ele em pedaço, (Fiz 50 bolinhas, do tamanho de bolinhas de ping pong, usei 600 g de provolone ralado e 5 claras) rala fininho (ou passa no processador que dá na mesma), de preferência sem a casca. "Mas vai jogar a casquinha fora, dona Rosa?" Não, não! 

A casquinha você guarda num saquinho no congelador: cozinha o feijão com ela que dá gostinho de bacon (se você não come carne, taí a salvação do seu feijão!)  ou pica ela e frita junto com cebola, também picada prá fazer uma farofinha ou ainda cozinha a casca junto da sopa de batata - HUUUUMMMMM!

Ralou o provolone? Agora pega 5 ovos, separa as gemas das claras e bate estas na batedeira ou no batedor de claras até virar suspiro. Ficou firminho? Então, joga o provolone aí e mistura - primeiro com colher, depois vai na mão mesmo. 

PRONTO! Tá feita a massa do seu bolinho! "Só isso, Dona Rosa?" Só. "Mas, não fica muito queijoso, dona Rosa?".  Por isso que é tão bom!  

Agora, duas últimas coisas: enrola bolinhas do tamanho de tomates-cereja - pequenininhas mesmo. Passa na farinha de rosca (aí elas ficam um pouco maiores, como bolinhas de ping pong) e frita em óleo quente - elas fritam rapidinho! Aí, quem comer, morde no meio e vê aquela delícia de queijo cheiroso, semi derretido e douradinho - um presente pras papilas gustativas (que, por bondade divina, ficam na língua)...

Mas ó: nada de farinha de rosca de saquinho, industrializada, comprada pronta no mercado, que tá na prateleira há meses: aquilo parece areia de gato. Passa na padaria perto da sua casa e compra a farinha de rosca que eles fazem com pão amanhecido: aí sim, estamos conversados.

"Ah, mas provolone é um queijo tão caro, não dá prá fazer com outro queijo, Dona Rosa?" Ó, pode ser que dê, nunca tentei. Mas você não vai fazer todo dia, principalmente porque você não quer ter que reformular todo o seu guarda-roupa. Uma vez ou outra, o gasto compensa. E você até pode por menos queijo e dar corpo ao bolinho com pão de forma: ele é fácil de esmigalhar, ajuda a fazer a "massinha" do bolinho. Ah, e usando o pão de forma nem precisa passar na farinha de rosca prá fritar, é só enrolar as bolinhas e pronto. Ou - melhor ainda - flocos de batata. A única marca que presta é a Hikari (as outras tem um gosto químico horrível!) - com ela faço nhoque, risole, purê às pressas - fica tudo bom. Na hora de fazer esse bolinho põe um pouco dessa batata desidratada em flocos que seu bolinho vai parecer batatas noisetes com sabor de queijo...

Mas, não deixa de fazer!!! Sabe aqueles cubos de provolone à milanesa que a gente come em restaurante? Fica melhor! As claras de ovo dão uma suavidade, uma maciez...

Faz pro fim de semana que o "marildo", o "namoraldo", os "fil-lhos" vão todos adorar!

"Mas, Dona Rosa, e as gemas? Não gosto de jogar nada fora... O que dá prá fazer com elas?"

Ah, faz quindim... Não sabe? Bom, eu faço uma torta de maçã deliciosa, quem sabe uma hora eu ensino - facílima de fazer e com um sabor incrível, quem come pensa que deu trabalho... Uso 2 gemas na massa e 3 gemas no creme do recheio - então não perco nada. Mas, desta vez, fiz meu "Macarrão Brasileiro", este aqui:
  

"Ah, é um macarrãozinho com ovo mexido? Só isso?" 

Não, é diferente: ovo mexido, pelo menos o meu, é fofo e aerado; esses são flocos de gema, mais firmes e com um gosto mais concentrado da gema peneirada - prá ficar sem a pelinha. Se faz assim, ó:

Ponho na panela óleo e cebola desidratada (algo que não pode faltar na minha cozinha: é prático e tem sabor e aroma fantásticos!) e levo ao fogo baixo. Não pode jogar a cebola desidratada no óleo quente: como ela não tem água, frita e queima em segundos...). Você compra cebola desidratada a granel nos mercados municipais e custa baratinho, porque é vendida por peso e é levinha - ou compra na prateleira de temperos do supermercado, perto do orégano (só que, aí, custa um pouco mais caro - mas vale a pena...). Mexo com a colher de pau até começar a mudar levemente de cor (e subir um cheiro delicioso de cebola frita). Aí pego as cinco gemas peneiradas e vou jogando elas aos pouquinhos nessa friturinha e continuo mexendo, para que os grumos fiquem sempre pequenos, como flocos. Salgo, ponho pimenta e, por último, salsinha e cebolinha à gosto. 

Pronto! É só jogar o macarrão cozido al dente e comer. Fica ótimo! Parece macarrão alho e óleo, só que com cebola e o colorido do ovo e da salsa (e dessas cores veio o nome que eu dei...)

E agora, que você sobreviveu a outro dos meus furacões de palavras, se divirta com mais da maravilhosa-incrível-espetacular Chiquinha Absurda:


 Eu! Eu!


 Silêncio nada! Buááááááá!


 Simplesmente o tempo todo - minha vida. 


 Nem tanto: às vezes acho que é o ladrão de varais que assola minha vizinhança...


 Acabou a tinta azul...


 Mas o Willie Wonka era outro, não dava o medo que esse dá, com esse cabelinho chanel...


Às vezes sinto até o cheiro - especialmente no metrô. 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Blusa de retalho

Já faz alguns meses que eu comprei este retalho, perdido numa daquelas bancadas de restos no Varejão Chaves, em Guarulhos.

Eu simplesmente não pude resistir: botões de rosa vermelhos, um toque de um verde da prússia lindo e migalhas de branco... 

Transparente, fluido, uma delícia e... difícil de decidir o que fazer com ele. 

O preço? Vocês podem duvidar de mim, mas é a pura verdade: 2 reais. (2 REAIS!!!??? NÃÃÃÃÃO!!! Porque eu não moro perto desse Varejão de tecidos!!!!! - É isso que você deve estar pensando neste momento, né? Pois é,  eu queria morar mais perto também, assim não saía de lá... Mas tenho que esperar a boa vontade do patrão prá me levar, então faz meses que não compro nada práqueles lados, dá até tristeza... A última coisa foi esse paninho aí... Snifs!).

O retalho tinha pouco mais de um metro e eu queria fazer uma dessas blusas soltinhas. Fiz na raça: dobrei o pano, cortei usando uma regata minha como molde. Assim, ó:
Detalhe importante: cortei como se corta saia godê - no canto. Frente e costas do decote igual da regata, mais a margem da costura. Cava "espichando" prá chegar no canto e usando a largura toda do tecido, prá dar essa fartura toda. Bom demais porque, como ele é meio transparente, esse exagero de tecido faz com que a blusa fique super-decente: nem precisa usar nada por baixo. 


Pode usar soltinha,pode usar com um cintinho (que fui eu mesma que fiz, de crochê - a receita está AQUI). 

As mangas eu fiz com um molde de manga qualquer, só fiz mais larguinha nas laterais, prá sobrar e não faltar. Viés do pescoço cortado das sobras, bainhas feitas à mão com agulha fininha, prá ficarem invisíveis. Fácil toda vida: eu não sou uma costureira de verdade, não sei tirar medidas direito, fazer molde, faço tudo na curiosidade e no muque, mas achei que deu super certo. 

Não esquenta a cabeça se, na hora de fazer a barra, não ficar perfeito - hoje em dia tem mullet prá todo lado, fica um charme mesmo se ficar meio torto. O que não pode é ter medo: se você errar, respira fundo, dá um suspiro, joga fora o pano (se não der prá aproveitar em nada...) e começa de novo! Custo do aprendizado: não se aprende a andar sem levar tombos.

Diliça de usar... Bate uma brisa e parece que a gente não tá usando nada, super pornô (hi, hi, hi...).

Varejão Chaves Tecidos - Guarulhos
Rua João Gonçalves, 115 - Centro
fone:2409-0828 

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Alfinetes que decoram

A ideia não é minha: vi uma menina usando no Disney Channel (meu marido diz que eu sou a maior audiência desse canal, que eles deviam fazer propaganda de linhas, lãs e tecidos - o que é mentira, porque eu também assisto XD, Nickelodeon e Cartoon). 

A camiseta tinha uma guitarra desenhada e tinha esses alfinetes na manga e eu copiei: boas ideias não devem ficar perdidas numa tela de TV. 

A camiseta também era do moleque e era assim:

Cortei, costurei remodelando femininamente e aí está como ficou a manga:

Quanto a essa tremenda mulher linda que está usando a camiseta, aí vai um relato fidedigno de um acontecimento jurídico:

Cena: Tribunal.

Personagens: Juiz de toga e martelo, advogados, escreventes, minha Lolô no banco dos réus e eu assistindo no banco, me debulhando em lágrimas como uma boa mãe:

- Senhorita Lolô, estão lhe sendo feitas múltiplas acusações de beleza em 3º grau, com agravante de ser uma gostosura, além do crime de ser uma maravilha da natureza. Além do mais, constam aqui diversas ocorrências de perturbação da paz mundial, pois onde a senhorita passa surgem comentários do tipo "Ô lá em casa!". Como a senhorita se declara?

- Eu? Quê? Inocente, Meritíssimo! Eu não fiz nada!!!

- É o que todos dizem...

- Não! Não fiz nada mesmo!!! Nem um batonzinho eu passo! Sou inocente! Minha mãe: ela que me fez assim, conversem com ela, ela vai dizer que eu sou inocente! Ela mesma, tadinha da velha, não tem culpa! Deus é que me colocou assim, desse jeito, na barriga dela...

- Empurrando a culpa para os outros - típico! Guardas! Levem-na!

Tudo a mais pura verdade. Exceto pelo juiz, que não tinha nenhum, e também o julgamento, que não aconteceu e eu também não tava lá e a Lolô, na verdade, adora ser assim, uma delícia...

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Customizando com... furinhos?


Éééé....! Fácil, fácil, você abre uns buraquinhos na camiseta - e ela não vai desfiar, não!

Do começo: outra camiseta quase nova do bambino que transformei prás bambinas. Arranquei toda a golinha, fiz o decote canoa como elas pediram, diminuí o comprimento das mangas e cortei toda a lateral da blusa, ajustando e acinturando. Diminuí o comprimento também. Ela era assim:

Mas, antes de costurar (com o ponto elástico da minha Janome 2008), aproveitei que ela estava aberta e abri os furinhos redondos nas mangas, dando esse ar "punk-rendado" que vocês estão vendo:

É muito fácil de fazer os furinhos nas mangas: tesourinha pequena e afiada (eu usei uma daquelas que a gente aperta, que geralmente usamos prá desmanchar costuras e cortar fios, que parece um bico de passarinho. Demorei prá caramba, mas era a única coisa que cortava com delicadeza e que tinha fio...). Dobrei a manga no meio seguindo a linha do ombro e fui cortando meios-círculos pequenos, um do lado do outro, deixando 1/2 cm de distância entre eles, sem chegar até a barra. Depois dobrei paralelamente a essa primeira linha de círculos e intercalei outros. Fui fazendo isso até a manga estar toda furada. 

"Mas aí, Dona Rosa, quando eu usar a camiseta, os furinhos não vão abrir mais, desfiar e estragar a camiseta toda?"

Não, colega, porque você vai "segurar" a malha deles com cola de tecido.

Assim: compra uma bisnaga de Cola Pano (paguei 2 reais na Tricolândia) que vem com biquinho aplicador (se você fosse fazer com pincel ficaria louca).

Depois que abriu os buraquinhos na blusa, arruma ela na mesa bem ajeitadinha sobre uma superfície plástica (o bom mesmo seria uma radiografia, mas pode cobrir com filme PVC um jornal dobrado mesmo...) e aí, com delicadeza, contorne com cola cada um dos furinhos - NO AVESSO DA CAMISETA, NÃO DO DIREITO. Não esquenta a cabeça porque a cola é esbranquiçada - ela fica transparente depois de seca. Eu vou fazendo um pontinho de cola atrás do outro e achatando ele com o próprio bico aplicador - assim tenho certeza que está penetrando na fibra, sem empapar. É só olhar como eu fiz nesta foto:

Espera uma meia hora prá secar mais ou menos (a secagem mesmo leva dias, mas depois de meia hora já dá prá soltar do plástico - senão gruda na camiseta). Arrume um lugar prá deixar a camiseta descansando, secando direito. Quando secar, costura.

Você pode fazer coraçõezinhos que fica lindo! E - quer outra ideia? - que tal passar a cola do lado direito, mas cola com glitter ou metalizado? Ou mesmo tinta prá tecido, que também vai segurar a fibra...

Agora pronto: você tem uma camiseta que parece punk, mas é meiga como você!

(Agora - pausa prá feriado. Se alguém quiser deixar comentário, vou a-do-rar, mas só vou poder responder na semana que vem... Bom final de semana!).

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Customização com feltro




(Ah, antes que alguém pergunte: costurei tudo com o ponto elástico "D" da minha Janome...).

Mais fácil, impossível: o feltro é auto-adesivo. Não, não precisa passar o ferro quente prá colar - ele já vem prontinho prá uso, é só tirar o papelzinho.

Já usei desse feltro na estampa deste avental de cozinha AQUI, mas agora quis usar numa camisetinha e A-DO-REI!

São da Alecria, uma estampa mais linda que a outra. Você desenha no verso, recorta, aplica. Se ficou torto, dá prá levantar e reposicionar - ele só fica definitivo depois de algumas horas - legal, né?

Agora, vamos ao tingido da camiseta: não vou dizer que chama "tie dye" porque eu não amarrei e tingi - só tingi. E foi moleza, porque eu não segui as instruções do rótulo da tinta. 
Lá você tem que ferver "trocentos" litros de água, dissolver a tinta previamente em água quente em outro recipiente, juntar os dois líquidos, mergulhar o tecido lavado e úmido e mexer com um pedaço de pau durante mais de meia hora. Não! Fiz assim, ó:

- Numa panela onde a camiseta cabia eu pus a água prá ferver. Quando ferveu, joguei o pó da tinta e mexi. Joguei a camiseta seca, dei uma revirada até ela ficar toda ensopada. Daí apoiei uma outra panela menor cheia de água (prá fazer peso) por cima, porque senão a água vai virando vapor, a camiseta incha como um balão e não fica legal. Do jeito que eu fiz a água continua evaporando, mas só faz umas bolhinhas de ar aqui e ali. 

- Como eu não mexi o tecido, fica esse jogo de cores: lugares onde a tinta pegou bem, lugares onde só deu uma leve tingida.

- Deixa fervendo 40 minutos, espera esfriar completamente. 

- Joga a água fora, enxágua em água corrente com sal e um pouco de vinagre branco prá ajudar a segurar a cor.

Pronto! Essa padronagem é única, nunca vai se repetir, por mais que eu tente.

A camiseta era branca - dá prá ver na costura da barra:

Cortei, acinturei, apliquei o feltro da Alecria e caseei só prá efeito de belezura - porque não precisa costurar, ele tá bem coladinho.

Não gosta de caveira? Faz gatinho, florzinha, coraçãozinho...

Mas, ó: sem essa de dizer que caveiras são "do mal", que trazem coisas ruins prá nossa vida. Isso é ofender ao Engenheiro que criou essa estrutura maravilhosa, que sustenta nossos músculos e órgãos, que movimenta nosso corpinho por este mundo... Se é medo da morte: colega, nenhum de nós vai ficar prá semente... Caveiras são parte de quem nós somos - um olhar estudioso reconhece um pequeno ossinho de dedinho nosso dentre um monte de outros, porque somos únicos. Bendito seja Deus que nos fez assim...

Agora, uma última dica sobre essa camiseta: não pode lavar, DE JEITO NENHUM, junto com outras roupas. A tinta vai saindo e você corre o risco de perder as outras roupas. Lava com carinho, numa bacia em separado, põe sempre sal na água prá durar mais a cor. 
E faz, porque é gostoso olhar prá ela e ver que foi você quem fez... Minhas filhas adoraram.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...