Generosidade...

v Ensine a outros o que você sabe: não importa se é a receita de um cachecol, do maravilhoso prato de família, aquela dica infalível para sair do aperto... Quando a gente é mesquinho, vive pequeno! Seja generoso, mesmo se o segredo compartilhado é parte do seu sustento, afinal, sempre vai ter quem prefere comprar pronto e - com certeza - sempre vai ter quem precisa da sua dica para por o pão de cada dia na mesa. Viva grande!

sábado, 30 de abril de 2011

1ª Blusa com Bolero



Terminei esta na quarta feira, mas não tive tempo de postar.

Para quem resolver fazer - ou porque já tem a linha comprada ou porque vai se arriscar comprando - saiba que não é mole, não...

A linha, que a olho nú parece artificial e piniquenta, na verdade é supermacia e derretida, mas MUITO difícil de lidar. Ela é um cordãozinho tricotado com uma linha base BEEEEEM fininha, tipo a Suzi (deve ser até o mesmo material), que já começa sendo chatinha porque tem que queimar a ponta antes de começar o trabalho senão desfia. E não é só: se você está com as mãos meio judiadas de lavar louça e roupa, como as minhas, ou se você esbarrar numa parede rústica ou numa lixa de unhas ou em qualquer coisa do universo ela gruda e desfia - ou seja, é bonita, macia mas é um pesadelo usar ela...

O trabalho tricotado fica com a aparência atoalhada, até fica bonita, especialmente à noite, sob a luz artificial), mas enquanto você está tricotando fica se perguntando "onde eu estava com a cabeça quando comprei essa m*rd*!!!" porque a ponta da agulha entra nas "molinhas" do fio. Entretanto, pelo preço (R$1,04 o novelo = R$ quatro contos uma blusa!!!) e pelo toque, que é macio e delicioso, acho que vale a pena. Por isso, mesmo com tantos contras, dei uma passada lá na 25 e comprei mais 5 novelos azul e 5 creme... (eu sei, reclama mas gosta...) Acho que ela é ideal para fazer cachecol, só usando tricô: fica lindo, não corre o risco de desfiar tanto e não dá tanto trabalho para fazer

Queria a preta, mas tinha acabado.

Nos 2 sites da Aslan não tem nenhuma receita com ela, e com certeza não vai vir mais para o Brasil, então é agora ou nunca...

Blusa Bolero Azul

4 novelos Bolero azul
1 par de agulhas de tricô nº 7

Costas: Montar 51 pontos na agulha e tricotar da seguinte forma: 4 carreiras em ponto tricô, 1 carreira em tricô dando 2 voltas na agulha (tricô alongado), 1 carreira soltando 2 pontos, tricotando eles juntos em tricô e dando uma laçada, indo dessa forma até o fim da carreira. Recomeçar fazendo 4 carreiras de ponto tricô, etc. Após 8 repetições, quando estiver iniciando a 9ª seqüencia, arrematar, cada 2 carreiras, 3, 1, 1 pontos para as cavas. Após 13 repetições do ponto, fazer mais uma carreira de tricô e arrematar.

Frente: igul às costas até terminar a cava. Quando terminar, dividir o trabalho ao meio e arrematar 1 ponto a cada uma carreira até dar 10 pontos. Arrematar na mesma altura das costas.

Mangas: 31 pontos, 1 aumento cada uma carreira até dar 37 pontos, seguindo o mesmo ponto da frente e das costas. Quando começar a próxima repetição do ponto, arrematar cada duas carreiras: 4, 2 e de 1 em 1 de cada lado até restarem 17 pontos na agulha. Arrematar.

Montagem: Costurar a blusa com linha de costura, fazer um bico de crochê ao redor do pescoço e da barra.

Sobrou quase um novelo inteiro, então essa blusa quase custou 3 caraminguás furados.... MAS É SÓ PRÁ QUEM NÃO TEME UM DESAFIO E ADOOOORA UMA PECHINCHA!

terça-feira, 26 de abril de 2011

Mais uma linda blusa...





Esta também foi feita em tricô no sentido vertical. O segredo para fazer a mudança de cor é a seguinte:

- quando você começa a tricotar, por exemplo, em creme, e depois quando põe a cartela, coloca a cor preta na entrada "B", os pontos selecionados vão ser tricotados em preto, correto?

- bom, eu só utilizo o primeiro desenho da cartela nessa blusa e, quando está para acabar esse primeiro desenho, vou selecionando manualmente mais pontos em preto, até o preto ser a única cor.

- mais para frente, quando tenho que introduzir a cor ferrugem, faço o mesmo processo, só que dessa vez, quando vai terminar o desenho, seleciono manualmente mais pontos para acabar virando ferrugem.

Na hora de costurar, a blusa fica costurada nos ombros cada lado de uma cor: um ombro é ferrugem frente e costas e o outro é creme. Da mesma forma, uma manga só tem preto e ferrugem (e é costurada no lado ferrugem da blusa), enquanto a outra manga é só creme e preto. A cartela é a mesma, mas eu empurrei para dentro os pontos selecionados dos "pontinhos", achei que ficava melhor...

Espero que tenha ficado claro, a receita estava perdida em uma das minhas velhas agendas, essa eu fiz prás "minhas mininas", mas é só fazer do tamanho da outra que também pode ser masculina... Usei sobras de Pingouin Cristal, cores preto, cru e ferrugem.

Vamos lá, colegas! Não é difícil não! Mas não se esqueçam de deixar a receita à mão e fogo na máquina!!!!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Casaco Novinho na Janela!





Bom, prá começar, esse casaco foi um verdadeiro romance...

No momento em que o fio chegou em casa, graças à generosidade da Linea Itália, eu olhei e já imaginei o que fazer com ele. Eu larguei um outro projeto e já comecei - talvez mais pelo desafio, já que minha filha criticou a lã: disse que parecia uma misturebaa de balinhas mastigadas, tipo Skittles... Bom, eu perdôo, afinal era a Lolinha e ela não entende nadica de nada de tricô. Já a Nana apreciou a cor, a maciêz e Sua Majestade, que geralmente é muito crítico, depois de uma mudez inicial, apreciou o efeito da linha depois de começado o trabalho (e isso, acreditem, é MUITA coisa...).

Só que, como eu não estava acostumada com a linha - não é lã - tive que fazer o casaco 3 vezes, pois sempre chegava na manga e eu via que não ia dar. Procurei na internet onde comprar, liguei para o armarinho perto de casa que trabalha com a Línea Itália e eles nem conheciam o fio, disseram que deve ser lançamento. Até perdi o sono, pensando em mandar um email para a Linea Itália pedindo, implorando mais um novelinho, mas acabei desistindo da amolação e me virando com o que tinha.

A idéia sempre tinha sido fazer a gola e as viras dos bolsos em preto - para dar o ar vintage, mas eu queria uma lã da Línea Itália dessa cor - mas no armarinho não tinha... Então ataquei de mollet mesmo.


À primeira vista, alguma tricoteira de primeira viagem pode estranhar a cor - como a minha Lolô.

Mas eu garanto: ficou um casaco lindíssimo, extremamente macio e quentinho, com um visual que nenhuma outra linha ou lã do mercado tem - o que garante um visual completamente inusitado e exclusivo. A cor que eu usei é predominantemente azul, com bolotas de todas as cores possíveis, que garante um visual que parece um daqueles sorvetes italianos - semifredo - onde se mesclam sabores... Perdi os rótulos, de tanto enrolar e desenrolar a linha... Eu me apaixonei, rende muito, afinal, em dez dias (que é o prazo em que a lã está em meu poder) eu fiz 3 casacos - mesmo que só tenha um para apresentar... Mandem um email para a Linea Itália se estiverem interessadas, para saber quando chega às lojas - garanto que vai valer a pena... Na receita, eu já acrescentei o novelo que me faltava, pois no modelo o bolso foi feito à parte, de tecido, e costurado.

Blusa Arlequim Vintage

7 novelos de Arlequim (usados duplos)

1 novelo (100 g) de Mollet (usado duplo)

4 botões pretos grandes (diâmetro 3,5 ou 4 cm)

1 par de agulhas de tricô nº 7

1 par de agulhas de tricô nº 10

Agulha de tapeçaria para costurar

Agulha comum para costurar

Agulha de crochê nº 4 para levantar pontos

Linha de algodão ou poliéster na cor predominante do casaco

Pontos utilizados: tricô, meia, barra 1 x 1

Modo de fazer:

Costas: Montar 52 pontos nas agulhas 7 e tricotar em barra 1 x 1 por 6 carreiras. Mudar para as agulhas 10 e tricotar o direito em ponto meia, o avesso em tricô, fazendo 1 diminuição de cada lado a cada 7 carreiras até dar 46 pontos. Na carreira 42 voltar a aumentar 1 ponto de cada lado a cada 7 carreiras até dar 50 pontos na agulha. Na carreira 52 faz a cava, diminuindo, a cada duas carreiras, 2 pt, 1 pt, 1 pt. Seguir reto e arrematar todos os pontos na carreira 76.

Frente esquerda: Montar 32 pontos, sendo 6 em cordões de tricô (para fazer o abotoamento e o restante em barra 1 x 1 na agulha 7, por 6 carreiras, mudar para a agulha 10 e tricotar da mesma forma que nas costas, até iniciar o bolso. Na carreira 20, arrematar 4 pontos, e seguir, diminuindo 1 ponto, nesse mesmo local, a cada uma carreira, até sobrarem apenas 13 pontos (6 cordões e 7 meias). Deixar à espera. Bolso: Montar 18 pontos na agulha 10, tricotar por 30 carreiras, direito em meia, avesso em tricô e juntar essa parte à que ficou à espera, atentando para manter o direito em meia. Na carreira 52 fazer a cava da mesma forma que nas costas, ao mesmo tempo que faz os aumentos para a gola da seguinte forma: a cada duas carreiras, aumentar em um a quantidade de pontos em cordões de tricô tricotando o último meia antes da tira de abotoamento duas vezes, uma em tricô e a segunda em meia, até dar 14 pontos em cordões de tricô. Na carreira 65, diminui do lado dos cordões de tricô uma vez 14 pontos e daí diminuir, a cada duas carreiras, 2 pt, 1 pt, 1 pt, 1 pt. Na carreira 76 arremate os pontos que sobrarem.

Frente direita: fazer da mesma forma que a esquerda, só que invertida e distribuindo uma casa, a três pontos da borda de cordões de tricô, arrematando um ponto, a cada 12 carreiras.

Mangas: Montar 30 pontos, agulha 7 e tricotar em barra 1 x 1 por 6 carreiras, Passar para a agulha 10 e tricotar direito em meia, avesso em tricô aumentando 1 pt de cada lado a cada 10 carreiras até chegar a 40 pontos na agulha. Na careira 56 diminuir, de cada lado, a cada 2 carreiras, 3 pt, 2 pt, 1 pt, 3 pt, e arremata os pontos que sobrarem na carreira 64. Fazer outra igual.

Montagem: Costurar a blusa usando agulha de tapeçaria. Usando agulha de costurar comum e linha de poliéster ou de algodão na mesma cor predominante do casaco prender o bolso na parte de dentro, usando pontos invisíveis. Tiras dos bolsos: Levantar, com agulha de crochê, 26 pontos com a mollet preta usada dupla para fazer a tira preta do bolso e tricotar em barra 1 x 1 por 8 carreiras. Arrematar acompanhando os pontos. Fazer isso nos 2 bolsos. Gola: Levantar, com a agulha de crochê e a mollet preta usada dupla 84 pontos no pescoço, sendo 28 em cada frente e 28 nas costas e tricotar em ponto cordões de tricô (tricô dos dois lados) por 21 carreiras, aumentando, a 3 pontos de cada borda, 1 ponto de cada lado a cada 4 carreiras. Arrematar - sem apertar - os pontos na 21ª carreira. Pregar os botões.

domingo, 24 de abril de 2011

Presente de Páscoa...

Uma fábula oriental descreve um ajuntamento de ociosos num pequeno mercado, nos arredores de Jerusalém, em torno de um cão morto que ainda trazia, amarrada ao pescoço, a corda com que o haviam arrastado pelo chão. Todos os que o cercavam, olhavam-no com repugnância...


- Empesta o ar - disse um, apertando o nariz com os dedos e fazendo uma careta de náusea.


- Reparem na sua pele rasgada: nem para fazer correias de sandálias seu couro serve - zombava outro.


Um egípcio corpulento aludiu às orelhas sujas e sangrentas do animal e rematou, com a voz empastada:


- Sem dúvida, foi enforcado por ser ladrão.

Desse grupo de homens aproximou-se um desconhecido que ouvira os diversos comentários. Em seu rosto resplandecia estranha luz e todo seu porte indicava dignidade fora do comum. Pondo seus olhos meigos no animal morto e vilipendiado, disse em seu belo e límpido idioma arameu:

- As pérolas desmerecem diante da alvura de seus dentes.

Todos que ali estavam, em torno do animalzinho, voltaram-se para o desconhecido com assombro e, vendo-o tão sereno e compadecido, indagavam, entre dentes, quem poderia ser aquele homem. E retiraram-se, de cabeça baixa, envergonhados, quando alguém arriscou um palpite: "Deve ser Jesus, o mestre de Nazaré, pois só ele sabe encontrar qualquer coisa digna de piedade e aprovação, até mesmo num cachorro morto."

Página retirada do livro "Lendas do Céu e da Terra", do escritor brasileiro que escrevia sob o pseudônimo de "Malba Tahan"...

quarta-feira, 20 de abril de 2011

A Camiseta do Batman!!!!




Que tal fazer prá sua bambina uma camisetinha que só ela vai ter? (quer dizer, customizar uma camisetinha...) Ela mesma pode ajudar, ou fazer sozinha, afinal, não usa tesoura, agulha, ela só vai precisar de ajuda na hora de passar o ferro quente...

Você vai precisar de:

- uma camiseta;
- strass auto-adesivo;
- desenho;
- ferro quente.

Você já deve ter comprado alguma camiseta com esses desenhos de strass, geralmente florzinha, borboleta, estrela... às vezes, você até comprou a camiseta mas não gosta muito do desenho - como no caso da minha Lolinha, que detesta essas coisas meio batidas...

O que pouca gente sabe é que esses strass foram colados com o calor do ferro - na maioria das vezes - e que dá para se livrar deles da mesma maneira: é só esquentar o ferro, passar o desenho com um tecido por cima e - enquanto está quente - retirar as pedrinhas. Às vezes sobra um pouco de cola no tecido, mas aí é só aplicar aquele spray que limpa inox ou removedor sem cheiro com um cotonete e depois lavar bem a camiseta com detergente de lavar louça que sai.

Bom, mas você quer customizar uma camiseta prá sua filhota (ou prá você) então mãos à obra.

É só comprar o strass auto-adesivo (nesta página da Aslan tem cartelas, é baratinho...) ou então comprar de camelô aí onde você mora mesmo. É um pedaço de contact com as pedrinhas coladas. Você tira as pedrinhas, apoia o papel colento por cima do desenho que você quer "empedrar" e vai cobrindo o desenho todo com elas. Vale esse do Batman (como eu fiz prá minha Lolô), a cabeçona do Mickey, um dragão, uma palavra...

Aí você posiciona no local que você quer que o desenho fique (com o "fundinho" das pedras - que é cheio de cola - em contato com a camiseta, bem como o contact transparente onde elas estão grudadas), apoia um tecido por cima (prá não derreter o plástico) e passa o ferro quente por cima, na temperatura algodão. Cuidado que as pedrinhas vão estar pelando!!! Não encosta nelas até esfriar...

Aviso: Se você gosta de tingir a camiseta quando ela fica "cansada", como eu faço com as pretas, pode esquecer... As pedrinhas vão cair. Ou você faz em camiseta branca ou cuida bem da sua pretinha...




terça-feira, 19 de abril de 2011

O Bem Amado de todas: Ponto Pipoca





A única vez na minha vida em que eu paguei para alguém tricotar algo para mim foi por causa desse ponto. Eu trabalhava, tinha 3 bebês pequenos, e comprei uma revista onde tinha uma blusa preta com ponto pipoca. Eu não sabia fazer e nem estava com tempo ou cabeça para tentar aprender. Aí, minhas colegas encomendavam as blusas de uma senhora e eu, querendo ser chique como elas, tirei das goelas o dinheiro e paguei pelo feitio da tal blusa.
 A mulher fez uma blusa horrorosa, com o mais batido ponto tijolinho e foi um tremendo arrependimento. Fiquei com tanta bronca que cheguei em casa, desmanchei a blusa e fiz uma outra prá Sua Majestade, com ponto bem simples e fiquei no sonho do tal ponto. Anos depois encontrei a mesma revista perdida numa bagunça e resolvi enfrentar a descrição do ponto e a achei fácil, aprendi e até já ensinei prá um monte de gente.
 Inclusive, outro dia fui fazer um ultrasson e (como sempre) levei um tricôzinho prá passar o tempo. Do meu lado tinha uma mulher tricotando uma blusinha para o neto e, encantada com o cachecol de ponto pipoca que eu estava fazendo, reclamou que nunca tinha aprendido o ponto, que achava que devia ser difícil. Quando eu me predispus a ensinar, ela cortou o fio da blusinha, e em dez minutos saiu feliz e satisfeita com uma amostrinha do ponto. Uma alegria que só uma tricoteira sabe...
Bom, aí vai uma blusa linda, que sempre arrecada elogios por onde passa. Espero que vocês gostem e apreciem a beleza e a economia - Cada pacote de Mollet, na Aslan, com 5 novelos, custa R$ 8,42, e eu usei só 2. O QUÊÊÊÊ???!!! Uma blusa linda dessas custou menos de 20 contos? Pois é... Ah, os botões são lindíssimos, italianos, parecem um cristal negro sextavado, paguei só 1 real cada numa lojinha em Itapetininga (interiorzão de São Paulo) chamada Realce, mas eram os últimos 6. Mas na 25 de março tem uma loja chamada Maluli, que fica bem perto da virada da Ladeira Porto Geral e, no 2º andar, onde ficam os botões, você acha botões do mesmo estilo e paga entre 11 e 20 reais a cartela.
Blusa Pipoca Rosa - veste manequim 40 até 48
10 novelos mollet cor rosa antigo (na Aslan essa cor é a 9245, mas está em falta...)
(compre 11 só prá não faltar, caso seu ponto seja mais comilão de lã que o meu)
Agulha de tricô n. 8
Barra 2 x 2 torcida: tricotar os 2 tricôs normalmente, na hora de tricotar os 2 meias, pegar os 2 juntos com a agulha, tricotar em meia (como se fosse fazer uma diminuição...), mas não derrubar os 2 pontos da agulha; daí faz um outro meia só com o ponto que está mais na beirada. Então derruba os 2 da agulha. É feito assim do avesso e do direito, sempre trabalhando somente os meias e fazendo normalmente os tricôs, pois eles serão trabalhados igualmente no avesso. Fica uma barra muito decorativa e firme. Pode-se fazer com agulhas bem grossas cachecóis muito lindos com esse ponto...

Adicionando:

Tem um vídeo muito bom do colega Marcelo Rezende ensinando esse ponto - prá quem não se dá bem com explicações escritas e adora um tutorial em vídeo. Homem fazendo tricô - coisa boa, né? Apoio totalmente. Não apenas porque Paulo de Tarso, nosso "São Paulo" se sustentava como tecelão mas principalmente porque é um passatempo muito saudável, do qual ninguém deve ser privado. Aliás: adoraria que o "Marildo" também fizesse crochê e tricô, mas especialmente que ele se dedicasse a outros afazeres considerados erradamente "femininos", como lavar louça, passar roupa (que eu odeio, me cansa demais as pernas...), dar aquela geral na casa... Já pensou? Eu entrando na cozinha e recebendo uma travessa de lasanha das mãos dele, fumegando e repleta de molho? Ai, ai... Sonhar não paga nada...


Ponto pipoca: Sem medo - o ponto pipoca é pura matemática de primário. No lado direito a gente só faz ponto tricô, mas é nele que as pipocas aparecem. No avesso é que elas são feitas, simplesmente utilizando pontos múltiplos de 4 mais 2 pontos (um para cada beirada do trabalho). No ponto pipoca, tricotamos 3 vezes o mesmo ponto,fazendo um meia, um tricô e um meia no mesmo lugar, simplesmente mudando a agulha, ora para a frente, ora para trás. Como acabamos aumentando pontos, pegamos os próximos três pontos juntos e os tornamos um. E assim vai: faz 1 virar 3, faz 3 virar 1, etc. Na próxima carreira, faz somente tricô, que é para dar "corpo" às futuras pipocas. Então, aquele ponto que virou 3, você faz virar 1 de novo; aquele que virou 1, você faz virar 3 de novo... Simples assim. É só treinar os olhos e repetir essa rotina enquanto estiver tricotando a peça.
Usei agulha 8 nessa lã, com esse ponto, para acentuar o efeito rendado e destacar as pipocas...
Se você tiver dúvidas, pegue no Youtube algum vídeo de tricoteira com esse ponto... Em inglês acho que ele é chamado de blueberry stitch...
Costas: Montar 86 pontos na agulha 8 e tricotar em barra 2 x 2, 2 tricôs 2 meias, fazendo a barra torcida por 8 carreiras. Recomece a contagem de carreiras, desconsiderando as da barra. Fazer o ponto pipoca por 68 carreiras (ou 34 seqüências horizontais de pipocas) e arremata para as cavas 4 pontos de cada lado, depois mais quatro pontos. Na carreira 100 arrematar tudo.
Frente direita: 49 pontos, sendo 42 em barra 2 x 2 torcida e 7 em cordões de tricô para o abotoamento, durante 8 carreiras. Fazer a cava na mesma altura e também aí começar a diminuição para o decote, arrematando 1 pipoca cada 4 carreiras exatamente antes dos 7 pontos em cordões de tricô. Na carreira 100, arrematar os pontos pipoca e continuar somente os cordões de tricô por mais 24 carreiras (para a parte do pescoço das costas). Arrematar.
Frente esquerda: igual à direita, mas com casas efetuadas a 3 pontos da borda, nos cordões de tricô, a primeira logo que acaba a barra e começam as pipocas e as outras a 14 carreiras de intervalo.
Mangas: 42 pontos, barra idêntica, quando começarem as pipocas aumente um ponto de cada lado a cada 10 carreiras. Na carreira 78 arremate 1 pipoca a 2 carreiras, sobrando apenas 5 pipocas no final (Obs: de quando se inicia cava da manga até quando ela é terminada são 20 carreiras).
Montagem: Costurar a blusa, pregando o arremate do pescoço nas costas. Pregar os botões.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Potes de cerâmica DE ALGODÃO???!!!



Pois é, dá-se um jeito de aproveitar tudo - o que não pode é perder nada... Numa dessas minhas compras na Aslan eu comprei um rolo de cordão (a um preço inacreditável!), com 50 metros, da marca São José (é só olhar aqui).

Bom, acontece que, quando você compra sem "provar" o produto, às vezes ele não é bem do jeito que você queria. Por isso, se você costuma comprar esse tipo de coisa no armarinho perto da sua casa, e tem um determinado tipo que você prefere, pergunte para a atendente se você pode ver quem é o fabricante (e o máximo de especificações possíveis) antes de se aventurar a comprar 50 metros de algo que você não conhece. Não sei quanto aos outros produtos da marca que eu comprei, mas esse cordão em especial eu achei um pouco duro demais, engomado demais - não ficava bom passado como cinto embutido num casaco de moleton que eu fiz pro meu bebê.

Daí fiquei com o produto aberto, parado e aguardando uma destinação útil. Até que minha Naninha - o Grilo Falante da minha vida, minha voz da razão e consciência lógica de plantão - sugeriu que eu fizesse um cesto com ele, usando cola quente. Genial!

"Qué sabê como faiz?"

É assim: Escolhe o pote (plástico ou vidro) que você quer uar como base da forma do pote e - com o auxílio da pistola de cola quente - comece enrolando o cordão pelo fundo do pote, fazendo um caracol, e vá cobrindo o pote todo com o cordão. Quando tiver chegado na altura que você quer, corte o cordão. Se quiser fazer tampa. comece dando uns dois nós no cordão (para fazer o puxador, o lugarzinho onde você vai segurar para destampar o pote) e depois vai enrolando em caracol do mesmo jeito. Se o pote que você está usando como modelo não tem tampa, improvise: serve tampa de panela... Quando a tampa estiver pronta, enrole uma volta de cordão do lado de dentro da tampa para fazer o encaixe dela com o lado de dentro do pote (para a tampa não ficar caindo e encaixar direitinho).

Depois de pronto, pinte com tinta acrílica, fazendo os desenhos que quiser (dá prá ver que eu fiz flores em tons bem vivos), esconda inevitáveis irregularidades com os pontinhos brancos que, além de serem incríveis para esconder os errinhos, dão mais vida à peça). Daí, passe termolina leitosa por dentro (para impermeabilizar) e verniz ou termolina por fora (para proteger) Ah, não se assuste: termolina é assim branquela mesmo, parece mingau ralinho de maizena ou cola de farinha, mas depois que seca fica incolor e tem a vantagem de ser solúvel em água e não ter um cheiro que faça mal à saúde.

Gostou dos potes mas não quer gastar dinheiro comprando o cordão? Faz de jornal, colega! Pega o pote, faz uma cola de farinha ou dilui cola branca em partes iguais com água (tipo meio a meio) e vai colando camada sobre camada sobre o pote que você quer copiar - chama papel machê e é uma das maiores invenções para artesanato - Deus sabe quantos trabalhos de escola eu já ajudei meus filhos a fazer com isso...) É melhor você forrar o pote com filme de PVC antes se for usar jornal - fica mais fácil para "desenformar" depois. Quanto mais camadas de jornal você fizer, mais força e resistência você dará à peça. Depois, faça uma camada com papel higiênico branquinho ou papel guardanapo, se quiser passe uma camadinha fina de massa fina de parede, espere secar, lixe com uma lixa fininha e depois é só dar asas à imaginação criando a estampa do seu pote.

Ah, um aviso: se você usar cola branca diluída em água o jornal solta a tinta, então suas mãos vão ficar manchadas (mas não esquenta, "fia", sai com água e sabão!) Se usar cola de farinha isso não acontece. Sabe, uma vez meu filhote participou de um peça de teatro na escola onde tinha que ter uma vaca morta no meio do palco e eu fiz um bezerro, em tamanho natural, com as tripas aparecendo e tudo, muito sangue, etc. um nojo! e eu usei papel machê - ficou incrível, a professora pediu prá ela...

Bom, espero que vocês tenham gostado... Estes eu levei para minha médica no sábado, como presente de Páscoa, junto com o chocolate. Sei que ela vai achar um jeito legal de dar utilidade a eles, colocando gaze, agulhas de acupuntura, etc. Essa minha médica, Dra. Neusa, é uma das pessoas que impedem um meteoro de arrasar a terra (tipo aquelas duas ou três pessoas boas que teriam impedido Sodoma e Gomorra de virar história se existissem...), junto com meus filhos e a minha irmã Cida - que é uma chata com o maior coração do mundo... Cada vez que eu penso na minha "Doctorine" tenho vontade de fazer um presente...



domingo, 17 de abril de 2011

Uma Corujinha na minha Janela...


Epa, o "dindin" tá curto e chega a hora de dar aquele presente de Páscoa, que não pode custar muito mas tem que ser bonito, gostoso e inesquecível? Tá resolvido o problema. Primeiro, que tal dar uma coruja de Páscoa ao invés de um coelho? Uma que dure mais do que o chocolate que vai vir junto? Uma que sirva de lembrança de todo seu carinho (afinal, amor maior que o de mãe não tem e as corujas são sabidamente as máes mais "corujas" que existem...

Essa receita eu peguei aqui, mas não tinha o molde, só a imagem de como fica depois de pronta e o passo a passo. Como eu não tinha feltro, para fazer as asas, o bico e os pés, resolvi fazer tudo de retalhos. Gastei um metro e meio de manta acrílica para encher e só, porque o resto eu tinha. Fiz para minha filha, não foi para a Páscoa, mas olha só minha idéia pascal:

- Você faz a coruja, acondiciona ela dentro de uma caixa de papelão (que tal pegar uma no supermercado, que caiba a coruja, e encapá-la com papel de presente, usando cola branca um pouco diluída com água e espalhada com um rolinho - faz de pouquinho em pouquinho para não enrugar nem empelotar, viu?);

- No mesmo supermercado, você compra uns três ovinhos de páscoa, daqueles que são ocos e vem sem brinquedo nem nada, só a casquinha. Daí você desembrulha com cuidado, abre ao meio e recheia com trufa (que tal de maracujá?) que você mesma faz, pegando a receita no cybercook ou outro lugar, fecha e embrulha de novo;

- Então você pega o plástico no qual os ovinhos vieram embrulhados, enrola eles num canudo e corta bem fininho, mais ou menos 1/2 cm de espessura. Faz essas tirinhas serem o ninho da coruja, deita os ovinhos nesse ninho e fecha a caixa, pondo um laço bem bonito. Quando a pessoa receber, vai encontrar a mamãe coruja tomando conta dos seus deliciosos ovinhos...

Bom, você pode fazer um coelho também: é só arredondar o formato da cabeça, cortar duas orelhas grandes para costurar no alto, no lugar das asas fazer duas vezes as pernas, só que para os braços fazê-las mais curtas e 1 cm mais finas, e as patinhas menores. Cole um pompom de tricô atrás. Faça uma bolinha de fuxico, bem pequena, para ser o focinho e, abaixo dela, coloque uns dentões recortados de alguma embalagem plástica (que tal pote de sorvete?), pinte ou borde uns bigodinhos...

Ah, se você for dar para uma criança pequena, lembre-se de fazer os olhos de crochê (do mesmo jeito que eu fiz a florzinha ...) para eles não arrancarem os botões e engolirem.

Acaba a Páscoa, mas a pessoa que recebeu seu presente vai sempre lembrar do seu carinho...

Molde

sábado, 16 de abril de 2011

Blusa Super Linda (Modéstia à parte...)








Então você tem uma máquina de tricô, mas ainda não conseguiu a tão sonhada frontura e tem que fazer aquelas blusas com a barra "duuura", a freguesa torce o nariz, quer regatear no preço... Na minha janelinha eu tenho a solução do seu problema: fala prá ela ir comprar uma blusa pronta vinda da China lá na Pelicano e com seus tostõezinhos, compra três cones de lã Cristal (ou outra similar que dê para usar regulagem 7, 8...). Você vai fazer essa blusa Absolutamente Linda, vai vender por um bom preço, vão chover encomendas e você vai comprar um montão de coisa boa (incluindo a frontura...).

A história dessa blusa é assim:

Sua Majestade foi comprar umas camisas na loja de fábrica de uma grife bacana aí (não vou dizer o nome, só faço propaganda de quem vende barato...) e tinha essa blusa lá prá vender, custava 389 contos - mas isso porque era mudança de estação, estavam liquidando porque era verão...

Ele achou linda, queria porque queria mas a fiscal da pechincha estava junto, falou que não valia a pena, que não sei que lá, blá, blá, blá e convenci ele. Bom, chegando em casa, fiquei matutando como eu ia fazer a tal blusa - pois ela era tricotada na VERTICAL, e não na horizontal, como de costume.

Fiz experiências científicas, nenhum animal foi sacrificado e - no final feliz - dei a blusa para ele, com amor e carinho. The End.

Gastei quanto? Custa R$9,58 cada cone de lã Cristal na Aslan, deu prá fazer essa blusa E TAMBÉM o casaco xadrez que eu postei anteriormente (tudo por menos de 30 contos - uma salva de palmas...). Tá, o casaco xadrez ficou faltando um pouco de lã, eu comprei outros 3 cones e ainda deu luva, meia, touca - mas nem que ficasse 30 contos prá cada um ainda era barato demais!

Só que eu tinha umas sobras de lã e fiz também uma bege, creme e cinza, na qual eu coloquei uma barra feita com a frontura (150 pontos, regulagem 4, barra 1 x 1 por 24 carreiras, fiz uma para a frente e uma para trás, tirei com fio de outra cor e preguei com ponto de malha; 65 pontos, barra 1 x 1, reg. 4, 24 carreiras, fiz uma para cada punho e uma de 20 carreiras para o pescoço com 150 pontos).

E depois fiz uma em cinza claro, cinza chumbo e preto e dei para minha médica no Natal...
Bom, é só aproveitar essa minha experiência feliz e copiar a vontade, é um prazer compartilhar (afinal, conhecimento escondido é conhecimento perdido...).

Ah, dá prá fazer a mão também, "minina", usa família, molet, sei lá, faz uma amostrinha, usa uma blusa para se basear no tamanho e faz mesmo que a blusa é linda...

Observação: Além de ser diferente por ser tricotada na vertical, também é diferente por ter a barra viradinha; vai bem tanto para homem quanto para mulher, quando eu usava ela para ir trabalhar (porque eu quase nunca faço nada para mim e acabo usando as coisas deles...) chovia gente pedindo para eu fazer uma igual.

O "modelo" é o meu moleque, está maior do que Sua Majestade, acho que eu exagerei um pouco no fermento e o computador tem uma imagem porcaria, não dá prá ver as estrelinhas que ficam brilhando em volta dele, os fogos de artifício, a música celestial, o perfume melhor do mundo... Tem quem diga que é minha imaginação...

*** Observação Importante: Quando eu arremato tricô à máquina feito no sentido vertical, como no caso destas blusas, eu não corto o fio da lã na última carreira. Faço a finalização com a agulha de crochê com o fio ainda ligado à peça e, só no final, eu corto. A medida de duas vezes e meia o comprimento do tricô é meio no "olhômetro", assim, pode ser que seja necessário mais lã (ou menos...).

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Minha filha, a Garimpeira...




Digam o que disserem: os filhos saem aos pais, queiram ou não...

Seja por conviver muito comigo ou pela genética, meus filhos também sabem dar valor ao suado dinheirinho de Sua Majestade. Minha Naninha, voltando da ginástica, passou numa dessas lojas populares, onde as roupas nem sempre tem "aqueeeela" qualidade, mas se você não liga para etiqueta e não come sardinha e arrota caviar, dá para usar com a alma tranquila (e sem ter traças e poeirinhas de sobra na carteira)...

A loja se chama Eskala, tem em vários bairros de São Paulo/Capital, em Guarulhos e eu acho que já vi em Itapetininga, se não me engano. Bom, eles têm umas gôndolas, onde eles dispõem as roupas que já não tem em todos os manequins e "garimpando" minha filha achou essa camiseta de estampa floral, de puro algodão canelado, mas com um acabamento furréca, uma passamanaria de viscose ou rayon (não sei bem), que pinica. Tirando esse acabamento, a blusinha estava "no osso", sem um overloque ou mesmo um zig.

Prá resumir a ópera eu peguei uma cléiazinha que estava dando sopa, uma agulha de crochê bem fininha, para atravessar a trama da malha de algodão sem abrir buracos e uma outra agulha de crochê adequada à linha e fiz: uma carreira de ponto baixíssimo e uma de bico de crochê (3 correntinhas, 2 pontos altos no mesmo lugar, um ponto baixíssimo pulando 2 pontos baixíssimos da base. No pescoço eu fiz duas carreiras de ponto baixíssimo e uma do biquinho, porque teimava de ficar embabadado.

Vou falar a verdade: vi uma vitrine no shopping vendendo a mesma malha, a mesma estampa só que com um acabamento melhor (a confecção deve ter comprado o mesmo tecido) custando 26 reais.

Chuta quanto minha filha pagou? R$2,00!!!!!

Uma blusinha de puro algodão muito simpática, mais barata que um pastel!

Tá, não é nada que se diga "Nossa, que maravilha!", não dá para fazer bonito em algum lugar muito estiloso, mas - caramba! - 2 reais!!!

Ah, antes que eu me esqueça: gosto de sardinha, mas prefiro ovo mexido; nunca provei caviar porque parece nojento, mas Sua Majestade diz que é muito bom; já fui pobre de marré, mas o Paizinho do Céu me deu uma vida melhor do que eu mereço e agradeço muito (e um dia desses eu vou perguntar prá Ele porque...), mas acho que dinheiro não é capim!

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Blusa com botões Perolados



Esta blusinha já tem mais de dez anos de vida, e seus botões tem - no mínimo - o dobro disso. Eram de uma blusa que o tempo se encarregou de destruir, mas os botões nem se deram conta disso. Eles são de metal mesmo, tem peso, e - se vocês ampliarem a foto - talvez dê para ver que eles oxidaram a linha por baixo, desbotando... O bom é que a linha, por ser de algodão, pode a qualquer momento ser tingida... Mais um exemplo de como se pode andar bem vestida, gastando pouco... Cada novelo de Anne custa R$6,84 na Aslan - ou seja, uma linda blusa por menos de 15 reais! Eu a usava para ir ao trabalho, e minha filha do meio se "apoderou" dela e, como eu, sempre recebe elogios quando a usa... Podem ver como está conservada, mesmo após tanto tempo... 

Dá prá fazer à mão também... Paciência e fogo nas agulhas!!!

Blusa Verde Musgo

2 novelos de linha Anne
agulha de crochê n. 3

Costas: Montar 134 pontos, regulagem 8, fazer a distribuição dos "furinhos" da seguinte forma: 3 pt, 1 furinho, repetir até o fim. Tricotar 4 carreiras sem fazer furinhos. Na próxima carreira, fazer os furinhos novamente, desta vez eles ficam no meio dos 3 pts. tricotados anteriormente, ficando alternados. Repetir sempre 4 carreiras tricotadas, uma de furinhos alternados (Obs. Fiz sem cartela, pois meu carro de verão derruba muitos pontos e no local que arruma tem fila de espera de quase 3 meses - por enquanto ando sem paciência para deixar a máquina lá...).
Na carr. 136 faz a cava, arrematando, de cada lado, cada duas carreiras, 6, 2, 2, 1, 1. Arremata na carreira 180.
Frente: 62 pontos, fazer igual nas costas, incluindo a cava. Na carreira 168, para o decote, arrematar, a cada duas carreiras, 10, 3, 2, 1 pt (7 x), arrematar na carreira 180. Fazer a outra frente invertendo o lado do decote.
Mangas: 60 pontos, aumentar um ponto de cada lado, cada 1 carreira, até dar 104 pontos (carreira 24). Fazer as cavas das mangas, arrematando, cada duas carreiras, 6, 3, 3, 2, 1 pt (6 x). Arrematar os pontos que sobrarem.
Montagem: Costurar a blusa, contornar o decote e as mangas com 2 carreiras de pontos baixíssimos, 1 carreira de *1 ponto alto, 2 correntinhas *, repetidos até o fim, terminar com duas carreiras de pontos baixíssimos. Nas duas frentes fazer 6 carreiras de pontos baixíssimos, intercalando as casas para os botões na frente direita.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

É a Vovozinha ou é o Lobo Mau?




Esta roupinha eu fiz prá minha Pequena, que é uma pinscher de quatro anos que adora roupas. É só ver que vai vestir uma e fica toda animada, fazendo charme, pose...
Apesar da fama ruim de briguentos que essa raça tem, a minha é um docinho, super-beijoqueira, quietinha e carinhosa, que perambula pela casa à noite escolhendo com quem vai dormir.
Não postei a receita porque nem todo mundo tem um bichinho magrelo, de dois quilinhos que parece pesar só meio... 
Não é uma nojenta? Pensa que é gente!

terça-feira, 12 de abril de 2011

Blusinha de Verão "X"

Esta é para quem tem máquina de tricô - ou mesmo para quem tem paciência de sobra e não corre de linhas finas quando tem um projeto em mente. A minha máquina é uma Elgin 840, tem frontura, mas eu gosto - de vez em quando - de fazer peças sem usá-la, e dar um acabamento de crochê.

Blusinha de Verão "X"

1 cone de linha Brisa Verão Azul Marinho

Sobras de Brisa Verão Branca

Máquina de tricô

Agulha de crochê número 3

Obs.: Pode ser feita com Anne, ou usando 2 fios de linha Cléa; pode ser feita à mão, desde que se modifiquem as proporções dos pontos.

Frente: Montar 148 pontos, regulagem 7. Tecer 100 carreiras. Começar as carreiras de furinhos, pulando um ponto a cada cinco, com intervalos de 6 carreiras. Tecer 7 carreiras de furinhos. Após a última carreira de furinhos, tecer mais 4 carr. e fazer as cavas, diminuindo, de cada lado, a cada duas carreiras: 9, 4, 3, 2, 2, 1 (7 vezes), ficando com 94 pontos. Fazer o arremate do pescoço na carr. 170, arrematando 24 pontos, separando o trabalho em dois e diminuindo, a cada duas carreiras, no lado do decote: 5, 4, 3, 2, 2, 1 (5 vezes), ficando com somente 14 pontos. Arrematar todos na carreira 214. Fazer as costas sem as carreiras de furinhos e com o decote na carreira 186. Costurar os ombros e os lados. Fazer duas carreiras de ponto baixo com a agulha de crochê ao redor do pescoço e dos braços. Fazer 7 carreiras de ponto baixo na barra.

Tecer 3 pontos com o fio branco durante tantas carreiras quantas forem necessárias para atingir, mais ou menos, 4,5 m de cordão branco. Passar esse cordão pelos furinhos, formando os tracejados e os "x".



segunda-feira, 11 de abril de 2011

Blusinha de Verão - Fácil de Fazer!!!!


Minha primeira postagem foi um vestido feito com um lençol velho... Sempre que dá, no final do ano sua Majestade gosta de trocar lençóis, cortinas, toalhas de banho e de mesa e eu acabo dando um outro uso para as coisas, que se não vão mais servir de um jeito, servem de outro. Surgem shorts, aventais de cozinha e outras tantas coisas que nem dá para mencionar.

Bom, acontece que também sobrou tecido dos lençóis novos que eu fiz - porque eu acabo sempre comprando um pouco a mais (melhor sobrar, que faltar...) e eu pensei em fazer umas blusinhas para mim, bem fresquinhas, para aguentar o verão e a Tia Mena ( ou a maldita menopausa...). O tecido dos lençóis é de algodão, ultramacio, com estampas meio "cheguei" mas é que eu gosto do quarto alegre mesmo.
Peguei uma blusa velha que minha mãe tinha me dado, cujos elásticos já afrouxaram e eu sempre digo que vou arrumar, mas não acho tempo e usei ela como molde. Fiz as duas blusinhas abaixo, gastando para cada uma 45 cm do tecido, que custou R$8,90 o metro na Niazi Chohfi, lá na 25 de março; enfeitei com renda gripure, que eu comprei na Maluli, também na 25 e que custou uma peça com 10 metros R$11,oo e, no lugar do lastex - que logo fica laceado, usei elástico com 1/2 cm de espessura . Nas alças, eu usei um elástico de 2 cm de espessura. Se você tiver 1 m de tecido, 5o cm de elástico largo (2 cm), uns 4 m de elástico fininho ou um rolinho de lastex dá prá fazer, tranquilo...

Só tem um problema: depois de prontas as blusinhas (que eu ia usar prá ficar em casa...) minha filha Nana pediu prá ela porque achou bonitas... Daí então eu aproveitei uma bata velha que estava encostada, descosturei toda ela, passei a ferro e cortei a terceira bata. Fiz para ela também, prá variar...




Esta primeira imagem é a da blusinha feita com a ex-bata. Eu adoro essa estampa, pena que agora só acho tecido floral com estampas absurdas... O tecido é viscose, o enfeite é rendinha de algodão (que já fazia parte da bata). Não gostei tanto, porque o caimento não ficou tão bom, mas ficou bem fresquinha.




Estas duas são as feitas com tecido de lençol, puro algodão, bem fininho mas encorpado. O caimento ficou melhor.

Elas tem três pontos positivos, a meu ver:

1) não precisa usar sutiã por baixo, exceto se tiver seios muito grandes,porque o busto é feito com tecido duplo - isso é bom porque também não ficam aparecendo as alças, nem na frente, nem atrás;

2) as alças não ficam caindo, como geralmente acontece com blusas desse tipo, porque tem elástico largo dentro delas, que dá um leve franzido sem apertar;

3) serve tanto em manequim 40 (ela) como em 44 (eu).



Peguei o molde, passei para o sulfite, escaneei e já está no meu Picasa - assim, quem quiser se aventurar a fazer uma é só baixar o molde. Basta clicar no endereço abaixo, que ele está lá, esperando...


Só que eu repito: não sou costureira, não fiz o molde tomando medidas nem calculando nada, mas com ele em mãos e olhando as imagens dá para fazer.
IMPORTANTE: cortem tudo com uma margem de 1 cm para a costura - ou mais, se você for fazer para alguém mais "fofinha"... Costurem as alças, desvirem as mesmas e introduzam o elástico largo, dando uma leve franzida e alinhavando. Coloquem as duas partes do busto (depois de feitas as pences), direito contra direito e encaixem as alças. Prendam a parte de baixo, fazendo pregas se necessário. Façam o mesmo nas costas. Preguem o elástico com uma distância de 2 ou 2,5 cm entre cada elástico. Usem renda de algodão, gripure, bordado inglês ou o que quiser para enfeitar (e esconder qualquer "probleminha" na hora de costurar o busto). O mesmo elástico usado para dar o franzido atrás eu usei na lateral do busto, embaixo das axilas - assim fica tudo bem "escondidinho", dá prá usar sem sentir vergonha de mostrar nada. Sempre alinhavem tudo antes de costurar, para dar mais segurança... Dá para "encompridar" e transformar num vestido. Qualquer dúvida, podem mandar perguntas, eu respondo com prazer...

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Chapéu côco, DE NOVO????



E porque não? Fica quentinho, bonito, a barrinha enrola para fora, a princesa fica ainda mais linda e não parece um bebezinho de touquinha, mas mantém aquele ar de "minha-mãezinha-cuida-de-mim-mesmo-que-eu-já-sou-uma-mocinha"... Sempre que estou sem inspiração ou sem tempo para fazer algum projeto maior, ataco de chapéu côco - ou boina - afinal gasto pouco e fica pronto rapidinho. Estes dois são os favoritos da minha Lolinha, que - modéstia à parte - fica muito gata... O escuro a lã é Acalanto, da Cisne, o outro também é da Cisne, queima de estoque (prá variar...), mas eu não lembro o nome, parece feltrada... Ah, no chapéu côco é bom usar uma agulha que não fique muito aberto, para dar mais ar de chapéu mesmo... A receita táqui http://arosanajanela.blogspot.com/2011/04/um-so-novelo-dois-chapeus.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...